CGN
Acesse aqui o Discover e busque as mais lidas por mês!
Imagem referente a Estado e Ocepar estudam estratégias para transformar o feijão em produto de exportação
Estado e Ocepar estudam estratégias para transformar o feijão em produto de exportaçãoFoto: Divulgação SEAB-PR

Estado e Ocepar estudam estratégias para transformar o feijão em produto de exportação

A produção atende basicamente o mercado interno, mas pesquisas demonstram que está havendo redução no consumo, que hoje é de cerca de 14 quilos por pessoa......

Publicado em

Por CGN

Publicidade
Imagem referente a Estado e Ocepar estudam estratégias para transformar o feijão em produto de exportação
Estado e Ocepar estudam estratégias para transformar o feijão em produto de exportaçãoFoto: Divulgação SEAB-PR

A Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar) e o Governo do Estado, por meio da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento, deram início nesta quinta-feira (25), durante o 1º Fórum do Feijão, realizado em Curitiba, a um estudo para tornar o feijão paranaense também um produto de exportação. O Paraná é o principal produtor nacional, com previsão de 946 mil toneladas este ano.

A produção atende basicamente o mercado interno, mas pesquisas demonstram que está havendo redução no consumo, que hoje é de cerca de 14 quilos por pessoa por ano, com tendência de queda.

Segundo o presidente da Ocepar, José Roberto Ricken, que propôs a reunião com a Seab, em outras commodities a produção responde à demanda nacional e internacional. “No feijão a parte comercial ainda é antiga, nós produzimos e depois saímos para comercializar. Precisamos de uma estratégia adequada de comercialização e até de exportação para ter uma cultura mais planejada no campo”, afirmou.

Segundo ele, as cooperativas estão altamente interessadas em ampliar a produção, mas precisam estabelecer estratégia semelhante às da soja e do milho. “É um produto que está todo dia na mesa e precisamos ampliar o mercado”, afirmou.

O secretário da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, ponderou que o desequilíbrio que se observa entre demanda e oferta tem provocado oscilações nos preços pagos aos produtores. Ele destacou pesquisas realizadas principalmente pelo Instituto de Desenvolvimento Rural-Iapar-Emater (IDR-Paraná) para desenvolver um produto que seja adequado para o mercado internacional.

De acordo com ele, já foi possível desenvolver materiais resistentes a pragas e doenças e com ciclos produtivos mais curtos, baixando de 90 para 68 dias, ou até menos. Também houve avanço em tecnologia, com desenvolvimento de plantas de porte mais ereto que ajuda na colheita mecanizada, e na logística, melhorando a secagem e armazenagem.

“O desafio é encontrar tipos de produto que estimulem nossa capacidade de abastecer o mercado internacional”, disse Ortigara. “Por isso é muito relevante esta iniciativa de debater esse assunto até para calibrar a investigação científica no feijão e em alternativas de pulses (leguminosas secas)”.

Uma das propostas colocadas pelo secretário para ajudar na tomada de decisão pelo produtor é ter zoneamento de risco climático cada vez mais focado em microambientes, com vistas à maior assertividade na produção e na segurança. “O feijão e os pulses são mais uma oportunidade de estar presente no mundo, mas precisamos estudar e nos adaptar ao consumo para garantir firmeza de demanda”, disse.

A diretora de Pesquisa do IDR-Paraná, Vânia Moda Cirino, salientou que o instituto já desenvolveu cerca de 40 cultivares de feijão, a última delas a IPR-Cardeal, que tem grãos vermelhos que mantêm a coloração mesmo depois de cozidos. É uma cultivar estudada de acordo com o perfil do mercado internacional, pois alguns países vendem o produto pré-cozido em vidros, garantindo a boa apresentação. “Temos estruturado uma cadeia de feijões voltados para a exportação e as cooperativas são importantes nesse processo”, afirmou Cirino.

SAFRA – O chefe do Departamento de Economia Rural (Deral), Marcelo Garrido, apresentou na reunião as estimativas da safra de feijão paranaense. As três safras devem entregar 946 mil toneladas do produto este ano, com produtividade de 1.800 quilos por hectare. Com isso, o Paraná será responsável por 29% da produção nacional.

Mesmo superior às 682 toneladas do ciclo anterior, a produção paranaense ainda será inferior à estimativa inicial feita pelos produtores em meados do ano passado, quando planejaram o plantio. De acordo com Garrido, as condições climáticas e a pressão forte de doenças não permitiram atingir o potencial, e também houve prejuízo para a qualidade do feijão, principalmente na região Sudoeste do Estado. “Mesmo assim o Paraná terá boa disponibilidade de feijão a partir de maio”, afirmou.

Fonte: AEN

Notícias Relacionadas:

Ceasa Paraná vai construir reservatório de água na unidade de Londrina
Ceasa Paraná vai construir reservatório de água na unidade de Londrina
Vazio sanitário da soja inicia neste domingo para algumas regiões do Paraná
Vazio sanitário da soja inicia neste domingo para algumas regiões do Paraná
Paraná deve colher 646 mil toneladas de feijão, 34% a mais que em 2023
Paraná deve colher 646 mil toneladas de feijão, 34% a mais que em 2023
Estado e entidades discutem ações para monitoramento da nova vespa-da-madeira
Estado e entidades discutem ações para monitoramento da nova vespa-da-madeira
Com série de encontros, IDR-Paraná promove protagonismo feminino no campo
Com série de encontros, IDR-Paraná promove protagonismo feminino no campo
Estado reafirma compromisso com produção de alimentos saudáveis em fórum da Ocepar
Estado reafirma compromisso com produção de alimentos saudáveis em fórum da Ocepar
Para prevenir pragas, Adapar normatiza acesso de máquinas agrícolas ao Paraná
Para prevenir pragas, Adapar normatiza acesso de máquinas agrícolas ao Paraná
Estação do IDR-Paraná em Pinhais vira vitrine do potencial e diversidade de uso do bambu
Estação do IDR-Paraná em Pinhais vira vitrine do potencial e diversidade de uso do bambu
Ceasa Maringá estará aberta na próxima quinta-feira, feriado de Corpus Christi
Ceasa Maringá estará aberta na próxima quinta-feira, feriado de Corpus Christi
Programa Mulheres do Campo vai fomentar autonomia econômica de produtoras rurais
Programa Mulheres do Campo vai fomentar autonomia econômica de produtoras rurais
Suinocultura do Paraná tem predominância do modelo integrado com agroindústrias
Suinocultura do Paraná tem predominância do modelo integrado com agroindústrias
Suinocultura do Paraná tem predominância dos modelos integrado e cooperado
Suinocultura do Paraná tem predominância dos modelos integrado e cooperado
Segundo maior produtor nacional, Paraná se destaca pela qualidade do mel
Segundo maior produtor nacional, Paraná se destaca pela qualidade do mel
Governo vai pavimentar estrada rural entre Boa Esperança e Juranda
Governo vai pavimentar estrada rural entre Boa Esperança e Juranda
Estão abertas as inscrições para a 22ª edição do concurso Café Qualidade Paraná
Estão abertas as inscrições para a 22ª edição do concurso Café Qualidade Paraná
Encontro na Expoingá discute desafios e oportunidades da pecuária leiteira do Paraná
Encontro na Expoingá discute desafios e oportunidades da pecuária leiteira do Paraná
Estado inaugura pavimentação de estrada que liga Paraíso do Norte a Nova Aliança do Ivaí
Estado inaugura pavimentação de estrada que liga Paraíso do Norte a Nova Aliança do Ivaí
Mudanças climáticas: Paraná participa de debate sobre emissão de carbono no agro
Mudanças climáticas: Paraná participa de debate sobre emissão de carbono no agro
Paraná pode produzir até 750 mil sacas de café em 172 municípios em 2024, aponta boletim
Paraná pode produzir até 750 mil sacas de café em 172 municípios em 2024, aponta boletim
Em apoio ao RS, Adapar aceita que agroindústrias gaúchas comercializem no Paraná
Em apoio ao RS, Adapar aceita que agroindústrias gaúchas comercializem no Paraná
Google News CGN Newsletter

Whatsapp CGN 3015-0366 - Canal direto com nossa redação

Envie sua solicitação que uma equipe nossa irá atender você.


Participe do nosso grupo no Whatsapp

ou

Participe do nosso canal no Telegram

Veja Mais