CGN
Acesse aqui o Discover e busque as mais lidas por mês!

MPPR aciona Município de Curitiba e Fundação de Ação Social por maus-tratos a adolescentes acolhidos na Casa do Piá e irregularidades no local

A judicialização da questão foi decidida após tentativas frustradas de resolver a situação extrajudicialmente, diante da inércia e da omissão dos responsáveis pela política de assistência......

Publicado em

Por Ministério Público do Paraná

Publicidade

O Ministério Público do Paraná, por meio da 2ª Promotoria de Justiça da Criança e do Adolescente da capital, ajuizou ação civil pública contra o Município de Curitiba e a Fundação de Ação Social (FAS) por diversas irregularidades encontradas no funcionamento das entidades de acolhimento que integram a política de assistência social executada pelo Município, como a Casa do Piá 1, estabelecimento especializado na acolhida a crianças e adolescentes em situação de risco.

A judicialização da questão foi decidida após tentativas frustradas de resolver a situação extrajudicialmente, diante da inércia e da omissão dos responsáveis pela política de assistência social do Município, inclusive após denúncias específicas, publicadas pela imprensa, de maus-tratos cometidos contra três adolescentes acolhidos institucionalmente.

Irregularidades – Inspeção realizada na Casa do Piá 1 encontrou diversos problemas no local, como alimentos manipulados congelados sem data de manuseio e vencimento, alimentos secos acondicionados em potes sem data de validade, alimentos vencidos na despensa e na geladeira, proteína animal com embalagem estufada (perda de vácuo), água parada acumulada na concretagem da piscina desativada, lixo acumulado na parte externa, inclusive material que pode servir de criadouros de mosquitos transmissores de doenças, sofá em péssimas condições de higiene e conservação, colchões rasgados.

O Ministério Público constatou ainda problemas relacionados à terceirização da prestação do serviço de cuidador, bem como a falta de capacitação de tais profissionais e a reiterada conduta da Prefeitura Municipal de se eximir de ofertar capacitação continuada aos profissionais terceirizados, sob a alegação de que compete à empresa contratada – o que viola as diretrizes do serviço de acolhimento de crianças e adolescentes.

Maus-tratos – Após reportagem publicada na imprensa sobre maus-tratos contra adolescentes atendidos na Casa do Piá 1, o Ministério Público iniciou a apuração pela via extrajudicial na mesma data, averiguando que a Fundação de Ação Social e a Procuradoria-Geral do Município não tinham adotado qualquer providência emergencial para identificação dos servidores e cuidadores envolvidos, o que só ocorreu após reunião realizada na data de 30.04.2024, quando informada via nota à imprensa, em 01.05.2024, a instauração de sindicância. Ainda, todos os acolhidos citados na denúncia foram identificados de pronto, em razão das fotos veiculadas, mas a Fundação de Ação Social não os encaminhou, sequer, para escuta especializada. A 2ª Promotoria de Justiça da Criança e do Adolescente, de posse de documentos e informações, encaminhou os fatos às Promotorias de Justiça de Infrações Penais contra Crianças, Adolescentes e Idosos para a apuração dos crimes.

A reportagem versa sobre situação grave de violência institucional em face de crianças e adolescentes acolhidos e reportou a falta de qualificação e capacitação dos servidores e terceirizados no manejo com os acolhidos, sendo indiscutível que foram submetidos à violência física, moral e psíquica, que vão desde o fato da unidade passar por períodos de superlotação, até o uso de castigo físico, com exposição dos meninos à situação vexatória, cruel e degradante, considerando que, dos áudios veiculados, é possível garantir que as contenções físicas não estavam seguindo protocolo algum. Um dos meninos relata que foi amarrado em um colchão e teve uma meia inserida em sua boca, o adolescente identificado não possui diagnóstico de saúde mental e não faz uso de medicamentos psiquiátricos que justifique tal tratamento que, em verdade, se assemelha à prática de tortura. Um dos áudios que chegou ao conhecimento do Ministério Público, após a reportagem, revela, ao menos, o envolvimento de três servidores na prática de violência institucional.

Conforme constatou o MPPR, “não há qualificação adequada dos servidores (não apenas educadores) e terceirizados para prestar serviços em favor de crianças e adolescentes, sobretudo portadoras de deficiência e transtornos de saúde mental, pois esses são as vítimas dos servidores e terceirizados desqualificados”.

Pedidos – Em vista dos inúmeros problemas, o Ministério Público requer na ação civil pública que o Município de Curitiba e a FAS sejam compelidos, liminarmente, “a substituir imediatamente os cuidadores e educadores lotados na Casa do Piá 1, que não atendem as especificidades das Orientações Técnicas, realizando a capacitação introdutória e prática dos novos que forem ingressar”. Além disso, pede que os requeridos sejam obrigados a adotar imediatamente “as providências necessárias para implementação de capacitação introdutória, capacitação prática e formação continuada no âmbito de todas as Unidades de Acolhimento Institucional governamentais, em articulação com os demais equipamentos que compõem a rede de proteção, devendo considerar os diagnósticos e especificidades de cada uma de suas unidades, haja vista a variedade de perfis de atendimento”.

Outro item pedido na ação judicial é a revisão imediata do contrato firmado entre a Fundação de Ação Social e a empresa contratada para fazer o cuidado dos adolescentes acolhidos, para que sejam sanadas as omissões quanto a obrigações da empresa relacionadas ao serviço contratado.
Além desses pedidos liminares, o MPPR requer também que o Município de Curitiba instale câmeras de segurança com áudio em todas as Unidades de Acolhimento Institucional Governamentais.

No julgamento do mérito da ação, pede-se a confirmação dos pedidos liminares, para que o Município de Curitiba seja obrigado “ao integral cumprimento das normas legais e técnicas aplicáveis aos serviços de acolhimento, sob pena do pagamento de multa diária no valor de R$ 100 mil, a ser revertida para o Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente”.

Processo número 0005387-56.2024.8.16.0188

[email protected]

Fonte: MPPR

Notícias Relacionadas:

MPPR em Santa Isabel do Ivaí denuncia funcionário de loja de informática por estupro de vulnerável e violação sexual contra crianças e adolescentes
MPPR em Santa Isabel do Ivaí denuncia funcionário de loja de informática por estupro de vulnerável e violação sexual contra crianças e adolescentes
Tribunal de Justiça atende recurso do MPPR e condena mãe que permitiu relacionamento amoroso de filha menor de 14 anos que engravidou
Tribunal de Justiça atende recurso do MPPR e condena mãe que permitiu relacionamento amoroso de filha menor de 14 anos que engravidou
Tribunal de Justiça atende recurso do MPPR e condena mãe que permitiu relacionamento amoroso de filha menor de 14 anos que engravidou do namorado
Tribunal de Justiça atende recurso do MPPR e condena mãe que permitiu relacionamento amoroso de filha menor de 14 anos que engravidou do namorado
Gaeco cumpre 37 mandados em Maringá, Sarandi e Santa Fé e afasta três servidores públicos em operação que apura possíveis crimes na 86ª Ciretran
Gaeco cumpre 37 mandados em Maringá, Sarandi e Santa Fé e afasta três servidores públicos em operação que apura possíveis crimes na 86ª Ciretran
Motorista denunciado pela morte de pai e filho em Curitiba no dia 11 de maio e que estava foragido é preso preventivamente após recurso do Ministério Público
Motorista denunciado pela morte de pai e filho em Curitiba no dia 11 de maio e que estava foragido é preso preventivamente após recurso do Ministério Público
Judiciário recebe denúncia oferecida pelo MPPR, e homem que matou a ex-mulher a facadas em Alto Piquiri vira réu por homicídio qualificado
Judiciário recebe denúncia oferecida pelo MPPR, e homem que matou a ex-mulher a facadas em Alto Piquiri vira réu por homicídio qualificado
Judiciário afasta das funções em sala de aula professor denunciado pelo Ministério Público do Paraná em Cornélio Procópio por assédio contra aluna de 15 anos
Judiciário afasta das funções em sala de aula professor denunciado pelo Ministério Público do Paraná em Cornélio Procópio por assédio contra aluna de 15 anos
Em Jacarezinho, Ministério Público denuncia por tentativa de homicídio mulher que jogou soda cáustica no rosto da ex-namorada do companheiro por ciúmes
Em Jacarezinho, Ministério Público denuncia por tentativa de homicídio mulher que jogou soda cáustica no rosto da ex-namorada do companheiro por ciúmes
Tribunal do Júri de Maringá condena a 18 anos e 8 meses de prisão réu denunciado pelo MPPR por tentar matar a namorada em 2019, deixando-a em estado vegetativo
Tribunal do Júri de Maringá condena a 18 anos e 8 meses de prisão réu denunciado pelo MPPR por tentar matar a namorada em 2019, deixando-a em estado vegetativo
Homem denunciado pelo MPPR pela morte da enteada em Quatro Barras em fevereiro de 2007 é sentenciado a 21 anos de prisão
Homem denunciado pelo MPPR pela morte da enteada em Quatro Barras em fevereiro de 2007 é sentenciado a 21 anos de prisão
Homem denunciado pelo MPPR pela morte da enteada em Quatro Barras em fevereiro de 2007 é sentenciado a 21 anos de prisão
Homem denunciado pelo MPPR pela morte da enteada em Quatro Barras em fevereiro de 2007 é sentenciado a 21 anos de prisão
Professor de escola pública de Castro investigado por possível assédio sexual contra alunas é afastado cautelarmente das funções a pedido do MPPR
Professor de escola pública de Castro investigado por possível assédio sexual contra alunas é afastado cautelarmente das funções a pedido do MPPR
Homem denunciado pelo MPPR pela morte da enteada em Quatro Barras no ano de 2007 é sentenciado a 21 anos de prisão
Homem denunciado pelo MPPR pela morte da enteada em Quatro Barras no ano de 2007 é sentenciado a 21 anos de prisão
Gaeco deflagra duas operações simultâneas voltadas a coibir o tráfico de drogas com o cumprimento de 12 mandados de busca e apreensão em Araucária
Gaeco deflagra duas operações simultâneas voltadas a coibir o tráfico de drogas com o cumprimento de 12 mandados de busca e apreensão em Araucária
Homem denunciado pelo MPPR em Ponta Grossa pela morte do irmão é condenado no Tribunal do Júri a 16 anos e três meses de prisão em regime fechado
Homem denunciado pelo MPPR em Ponta Grossa pela morte do irmão é condenado no Tribunal do Júri a 16 anos e três meses de prisão em regime fechado
MPPR de Cornélio Procópio e Núcleo de Londrina do Gaeco deflagram Operação Harpócrates, que investiga o sumiço de gravação de sessão da Câmara
MPPR de Cornélio Procópio e Núcleo de Londrina do Gaeco deflagram Operação Harpócrates, que investiga o sumiço de gravação de sessão da Câmara
MPPR denuncia em Almirante Tamandaré ex-ocupantes de cargos no Município por desvio de diversas peças de máquinas e veículos da frota municipal
MPPR denuncia em Almirante Tamandaré ex-ocupantes de cargos no Município por desvio de diversas peças de máquinas e veículos da frota municipal
Gaeco prende em Curitiba capitão dos Bombeiros que subtraía e vendia produtos originários de barracão da Defesa Civil que concentrava doações para o RS
Gaeco prende em Curitiba capitão dos Bombeiros que subtraía e vendia produtos originários de barracão da Defesa Civil que concentrava doações para o RS
Três réus da mesma família denunciados pelo MPPR pelo homicídio de uma vizinha após uma discussão são condenados pelo Tribunal do Júri de Ponta Grossa
Três réus da mesma família denunciados pelo MPPR pelo homicídio de uma vizinha após uma discussão são condenados pelo Tribunal do Júri de Ponta Grossa
Ação conjunta do Gaesf e do Gaeco resulta na prisão de dois empresários responsáveis por sonegação superior a R$ 25 milhões
Ação conjunta do Gaesf e do Gaeco resulta na prisão de dois empresários responsáveis por sonegação superior a R$ 25 milhões
Google News CGN Newsletter

Whatsapp CGN 3015-0366 - Canal direto com nossa redação

Envie sua solicitação que uma equipe nossa irá atender você.


Participe do nosso grupo no Whatsapp

ou

Participe do nosso canal no Telegram

Veja Mais