CGN
Acesse aqui o Discover e busque as mais lidas por mês!
Imagem referente a Governo propõe mudanças de tributação para conter importação de leite em pó e valorizar produção local
Governo propõe mudanças de tributação para conter importação de leite em pó e valorizar produção localFoto: Arnaldo Alves/Arquivo AEN

Governo propõe mudanças de tributação para conter importação de leite em pó e valorizar produção local

A primeira decisão foi a publicação do Decreto 5.396/2024 , que altera a cobrança do ICMS na importação dos......

Publicado em

Por CGN

Publicidade
Imagem referente a Governo propõe mudanças de tributação para conter importação de leite em pó e valorizar produção local
Governo propõe mudanças de tributação para conter importação de leite em pó e valorizar produção localFoto: Arnaldo Alves/Arquivo AEN

O Governo do Paraná tomou nesta segunda-feira (8) duas medidas para proteger os produtores de laticínios do Estado diante da concorrência com a importação de leite em pó e queijo mussarela. Ambas as medidas envolvem mudanças nas normas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), demanda do setor produtivo para proteger a produção local diante do aumento expressivo da importação de leite desde 2022.

A primeira decisão foi a publicação do

Decreto 5.396/2024

, que altera a cobrança do ICMS na importação dos dois produtos. Além disso, o Governo encaminhou à Assembleia

projeto de lei

para alterar a legislação do ICMS (Lei Estadual 13.212/2001) da importação do leite em pó e do queijo mussarela.

Até então, a importação de qualquer laticínio no Paraná tinha isenção total de ICMS. Com as mudanças, a importação dos dois produtos passa a ter taxação de ICMS. Dessa maneira, tanto o leite em pó quanto o queijo mussarela importados passam a pagar taxa de ICMS de 7% – valor mínimo de cobrança do imposto, já que ambos os produtos fazem parte da cesta básica e, por isso, não podem ser taxados na alíquota cheia de 19,5%. No Paraná, os maiores importadores dos dois produtos são as indústria, para quem passa a valer a regra.

Com o decreto, a importação desses dois laticínio também perde o benefício do crédito presumido de 4% de ICMS. O crédito presumido é uma ferramenta de incentivo fiscal que permite abater o ICMS de outros créditos.

Um dos pontos que o Estado pretende controlar é a importação de países do Mercosul. Segundo o Agrostat, plataforma do Ministério da Agricultura e Pecuária que acompanha o comércio de produtos agropecuários, o Paraná importou 6,5 mil toneladas de leite em pó no ano passado a um custo de US$ 24,6 milhões. Do total, 2,8 mil toneladas vieram da Argentina, custando US$ 10,9 milhões, o mesmo volume do Uruguai, por US$ 10,8 milhões, e as outras 800 toneladas tiveram origem no Paraguai, a um custo de US$ 2,8 milhões.

O volume representa aumento de 183% em relação às 2,3 mil toneladas importadas em 2022, que custaram US$ 9,2 milhões. De 2021 (682 toneladas) para 2022, o salto já tinha sido bastante considerável (237%), ao custo de US$ 2,3 milhões. Nos dois primeiros meses de 2024 o Paraná importou 250 toneladas pagando US$ 799 mil. 

“Paga-se caro no mercado, mas o produtor paranaense está com dificuldade, fruto de uma importação nunca vista nos últimos um ano e meio”, ponderou o secretário de Estado da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara. “O que precisamos neste momento é proteger minimamente os produtores porque queremos transformar esse setor em mais uma cadeia vitoriosa até o final da década”.

Os produtores paranaenses receberam em média, em 2021, R$ 2,08 por leite, valor que subiu para R$ 2,58 em 2022. No ano passado o litro caiu para R$ 2,56 e, em 2024, até agora, a média está em R$ 2,19. Comparando-se fevereiro de 2023, quando o litro custava R$ 2,68, com fevereiro deste ano, que ficou em R$ 2,23, a queda é de 16,7%.

Em maio do ano passado, os secretários da Agricultura apresentaram um pedido de apoio ao vice-presidente da República, Geraldo Alckmin. A proposta era de suspender a importação por um período, com vistas a ajuste no mercado. Em outubro do ano passado, o governo federal publicou um decreto que autoriza as empresas que não importam lácteos de países do Mercosul e participam do programa “Mais Leite Saudável” a aproveitarem até 50% do crédito presumido de PIS e Cofins da compra do leite in natura de produtores brasileiros, mas sem taxar a importação.

“Precisamos ter capacidade de reação, sob pena de inviabilizar uma atividade importantíssima, que congrega 60 a 70 mil famílias no Paraná”, acrescentou Ortigara. O Paraná é o segundo maior produtor de leite do Brasil. Foram 3.626.378 de litros entregues a laticínios em 2023. Minas Gerais lidera o ranking, com 23,8% da captação nacional. O Paraná, que detém a cidade que mais produz, em Castro, tem 14,8% do mercado.

A Secretaria da Agricultura e do Abastecimento, em conjunto com entidades do setor pecuário, também entregou sugestão ao governo federal para incluir a postergação de pagamento de empréstimos ou o refinanciamento de dívidas, especialmente para agricultores familiares, na divulgação do Plano Safra 2024/25. O Estado ainda está promovendo eventos técnicos no Interior para dialogar com produtores.

Fonte: AEN

Notícias Relacionadas:

IDR-PR leva Vitrine do Biogás e do Biometano à Expoingá 2024
IDR-PR leva Vitrine do Biogás e do Biometano à Expoingá 2024
Piana destaca importância da tecnologia no agronegócio na abertura da Copacol Agro
Piana destaca importância da tecnologia no agronegócio na abertura da Copacol Agro
Agroecologia, turismo rural e inovações no campo são temas do Estado na 50ª Expoingá
Agroecologia, turismo rural e inovações no campo são temas do Estado na 50ª Expoingá
Agroecologia, turismo rural e inovações no campo são temas do IDR-Paraná na 50ª Expoingá
Agroecologia, turismo rural e inovações no campo são temas do IDR-Paraná na 50ª Expoingá
Produção de mandioca deve crescer 6% no Paraná em 2024, projeta boletim do Deral
Produção de mandioca deve crescer 6% no Paraná em 2024, projeta boletim do Deral
Produção de mandioca deve crescer 6% no Paraná, projeta boletim do Deral
Produção de mandioca deve crescer 6% no Paraná, projeta boletim do Deral
Estados do Sul debatem formas de reduzir emissão de gases de efeito estufa na agricultura
Estados do Sul debatem formas de reduzir emissão de gases de efeito estufa na agricultura
Com investimento do Estado, Pato Branco vai construir Restaurante Popular
Com investimento do Estado, Pato Branco vai construir Restaurante Popular
Campanha de atualização de rebanhos começa nesta quarta-feira no Paraná
Campanha de atualização de rebanhos começa nesta quarta-feira no Paraná
Governo do Estado divulga pesquisa com preços das terras agricultáveis no Paraná
Governo do Estado divulga pesquisa com preços das terras agricultáveis no Paraná
Paraná inicia colheita da segunda safra com perspectiva de recorde na produção de feijão
Paraná inicia colheita da segunda safra com perspectiva de recorde na produção de feijão
Com apoio do Estado, 17ª ExpoFrísia propõe discussões sobre o mercado leiteiro
Com apoio do Estado, 17ª ExpoFrísia propõe discussões sobre o mercado leiteiro
Ceasa de Londrina estará aberta na próxima quarta-feira, dia 1º de maio
Ceasa de Londrina estará aberta na próxima quarta-feira, dia 1º de maio
Carambeí formaliza adesão ao programa que possibilita ampliar vendas da agroindústria
Carambeí formaliza adesão ao programa que possibilita ampliar vendas da agroindústria
Estado e Ocepar estudam estratégias para transformar o feijão em produto de exportação
Estado e Ocepar estudam estratégias para transformar o feijão em produto de exportação
Mais um frigorífico do Paraná é habilitado para exportar frango halal para a Malásia
Mais um frigorífico do Paraná é habilitado para exportar frango halal para a Malásia
Rede de Agropesquisa do Paraná inicia projeto para combate à cigarrinha-do-milho
Rede de Agropesquisa do Paraná inicia projeto para combate à cigarrinha-do-milho
Ceasa Paraná promove licitação para obras na unidade atacadista de Londrina
Ceasa Paraná promove licitação para obras na unidade atacadista de Londrina
Pesquisa da Rede Fitossanidade Tropical avalia eficiência de fungicidas na cultura do milho
Pesquisa da Rede Fitossanidade Tropical avalia eficiência de fungicidas na cultura do milho
Com adesão de consórcio, selo de sanidade agroindustrial chega a 135 municípios
Com adesão de consórcio, selo de sanidade agroindustrial chega a 135 municípios
Google News CGN Newsletter

Whatsapp CGN 3015-0366 - Canal direto com nossa redação

Envie sua solicitação que uma equipe nossa irá atender você.


Participe do nosso grupo no Whatsapp

ou

Participe do nosso canal no Telegram

Veja Mais