CGN
Acesse aqui o Discover e busque as mais lidas por mês!
Imagem referente a Serviço aeromédico do Paraná bate recorde histórico em 2023 com mais de 4 mil atendimentos
Serviço aeromédico do Paraná bate recorde histórico em 2023 com 4.003 atendimentosFoto: SESA-PR

Serviço aeromédico do Paraná bate recorde histórico em 2023 com mais de 4 mil atendimentos

Desde sua implantação, o serviço aeromédico fez 28.047 atendimentos, ajudando a salvar vidas de vítimas de acidentes, casos de emergência clínica, como infarto e AVC, de......

Publicado em

Por CGN

Publicidade
Imagem referente a Serviço aeromédico do Paraná bate recorde histórico em 2023 com mais de 4 mil atendimentos
Serviço aeromédico do Paraná bate recorde histórico em 2023 com 4.003 atendimentosFoto: SESA-PR

Um levantamento da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) mostra que o serviço aeromédico do Paraná realizou 4.003 atendimentos em 2023, numa média de 10,97 atendimentos por dia. Foi um recorde desde o início do serviço, há 16 anos. Ele é 16% superior ao recorde anterior, batido em 2022, com 3.452 atendimentos. O resultado também é 41% superior a 2019 (2.833 atendimentos), 40% a 2020 (2.853) e 31% a 2021 (3.041).

Desde sua implantação, o serviço aeromédico fez 28.047 atendimentos, ajudando a salvar vidas de vítimas de acidentes, casos de emergência clínica, como infarto e AVC, de recém-nascidos que precisam de UTIs, entre outros, além de transporte de órgãos para transplante.

O atendimento é operado pelo Sistema Estadual de Regulação de Urgência e suas respectivas centrais. O serviço do Paraná é referência nacional, considerando o número de aeronaves, a capacitação dos profissionais e, principalmente, porque é o único coordenado e operado exclusivamente para atendimentos de saúde, sendo acionado por médicos reguladores via sistema de Urgência e Emergência sempre que há indicação clínica de gravidade e necessidade.

O transporte é feito por seis helicópteros e um avião que ficam em cinco bases (localizadas em Curitiba, Cascavel, Londrina, Maringá e Ponta Grossa) escolhidas estrategicamente para garantir a cobertura de 100% do Estado com o serviço. As aeronaves são tripuladas por pelo menos um piloto, um médico e um enfermeiro. O serviço é autorizado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e segue as diretrizes dispostas no Regulamento Brasileiro de Aviação Civil (RBAC) nº 90.

“O serviço aeromédico, uma das iniciativas do atendimento pré-hospitalar, é um hospital sobre asas transportando cidadãos e fazendo a diferença na vida dos paranaenses”, diz o secretário estadual da Saúde, Beto Preto. “Esse serviço foi ampliado pelo Governo do Estado e agora registramos o maior número de atendimentos da história. Essa é a orientação do governador Ratinho Junior, para que possamos investir e fazer o que for possível para salvar vidas”.

BASES – Cada base de helicóptero é responsável por uma área de atendimento de até 250 quilômetros do seu ponto de origem, com voos de até duas horas de duração para possibilitar ida e volta sem a necessidade de reabastecimento. Atualmente todo o Paraná é coberto por cinco bases aeromédicas, que atuam de forma coordenada e complementar.

Em Curitiba ficam alocados dois helicópteros, um da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e um do Batalhão de Polícia Militar de Operações Aéreas do Paraná (BPMOA), além de um avião da Sesa. Cascavel, Londrina, Maringá e Ponta Grossa contam com um helicóptero cada, contratados pela Sesa junto à empresa Helisul. As equipes médicas e de enfermagem são disponibilizadas pelos Samus Regionais.

Além destas, durante o Verão Maior Paraná, o Governo do Estado também disponibiliza mais uma aeronave com base em Matinhos para dar suporte aos atendimentos no Litoral paranaense, numa parceria entre a Sesa e Secretaria de Estado da Segurança Pública.

SOBREVIVENTE – Pedro Paulo Franzoni, de 49 anos, é mecânico e reside em Sertaneja, no Norte do Estado. Em novembro de 2022, ele sofreu um ataque cardíaco e precisou do serviço aeromédico para se deslocar cerca de 80 quilômetros até o Hospital Universitário de Londrina. Se o deslocamento do paciente fosse realizado por via terrestre, precisaria de uma ambulância de suporte avançado e demoraria mais de uma hora. De helicóptero chegou em 15 minutos.

Na avaliação clínica da equipe médica que fez o atendimento inicial, o risco de esperar muito pelo atendimento especializado poderia custar a vida do paciente. O município solicitou para a Regulação de Urgência a remoção e transferência de Pedro. No trajeto da base de Londrina até o HU, Pedro teve oito (dentre as 12 totais) paradas cardíacas e dois infartos. Ele ficou internado por oito dias, sendo que em três deles permaneceu intubado.

“O atendimento aeromédico é muito bom e muito importante porque eu acho que de outro jeito não teria dado tempo de chegar até o hospital e eu não estaria aqui para contar a história. A equipe de Sertaneja que me fez o primeiro atendimento e depois a equipe do aeromédico e do hospital fizeram o possível e o impossível para salvar a minha vida, atendimento de primeira”, afirma o paciente.

INVESTIMENTO – Todos os serviços aeromédicos do Paraná são financiados com recursos da Sesa. Anualmente, o contrato dos helicópteros de Cascavel, Londrina, Maringá e Ponta Grossa e do avião alocado em Curitiba, prevê um investimento de até R$ 85,5 milhões, dependendo do uso durante o período. A secretaria também repassou, somente no ano passado, R$ 13,5 milhões pelo Fundo Estadual de Saúde para o BPMOA, além de custear as equipes médicas do Samu, que prestam os atendimentos aeromédicos, num montante de R$ 4,3 milhões em 2023.

Desde 2020, a Sesa adquire, com recursos próprios, um medicamento trombolítico usado para tratamento de ataque cardíaco. Cada ampola tem o custo de R$ 7.320,00 e é disponibilizada em ambulâncias e aeronaves que atendem urgência no Estado. Após receber esse medicamento, o paciente tende a ter o quadro estabilizado, garantindo melhores condições clínicas até chegar a um hospital. Em 16 anos cerca de 810 ampolas foram utilizadas, num investimento de quase R$ 6 milhões do Tesouro do Estado.

“Esses números mostram a consolidação do serviço aeromédico, chegando mais rápido onde precisa, com equipes altamente qualificadas, levando recursos de ponta para o atendimento destes pacientes, seja ele realizado em um acidente grave, um infarto, AVC, transporte de recém-nascidos para internações em UTI, transporte de órgãos ou até mesmo trazer de volta para o Estado paranaenses que precisam de atendimento médico e estavam em outros estados”, afirmou o gestor de Segurança Operacional da Unidade Aérea Pública da Sesa e coordenador da base aeromédica de Londrina, Marcos Laurentino da Silva.

TRANSFUSÕES DE SANGUE – Em outubro de 2022, o serviço aeromédico do Paraná iniciou um projeto inovador e experimental para realização de transfusões de sangue em pacientes graves no local da ocorrência, mesmo antes de serem encaminhados ao hospital. Em uma parceria da Sesa com a Helisul foi instalada, na base Maringá, uma sala para o acondicionamento das bolsas de sangue tipo “O -”, considerado universal.

Este procedimento segue rigorosamente as normativas de segurança e controle estabelecidas pelo Ministério da Saúde e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Desde então, 24 pessoas em estado gravíssimo receberam transfusões no local do atendimento médico ou durante o voo até o serviço especializado mais próximo.

Alice Casagrande, de 69 anos, foi uma delas. Ela teve três costelas quebradas e um dos pulmões perfurado, além de lesão na clavícula e cabeça e hemorragia após ser atacada por um animal, em novembro do ano passado, no município de Nova Olímpia. Lucilene Caetano Gomes Casagrande é nora de Alice, e falou sobre a importância do serviço. “Foi tudo muito rápido quando o Samu chegou. Eles trouxeram sangue, que ela precisava muito porque tinha hemorragia. Então a rapidez e a disponibilidade do sangue foram fundamentais. Hoje ela está viva porque, com toda certeza, o Samu estava preparado para atender as necessidades dela”, afirma.

Após receber o sangue em Nova Olímpia, e com o quadro estabilizado, Alice foi transferida pelo helicóptero aeromédico da base de Maringá até o Hospital Universitário de Maringá, onde permaneceu internada por 50 dias, sendo que 46 foi na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). “Nosso coração está cheio de gratidão. Sempre esperamos não precisar, mas é muito bom saber que se precisarmos, podemos contar com um serviço que salva vidas. Estamos muito bem atendidos”, acrescentou Lucilene.

HISTÓRIA – Quando foi implantado no Estado, em agosto de 2007, o serviço aeromédico do Paraná contava com apenas um helicóptero da PRF, com equipe e equipamentos médicos da Sesa, em parceria com o Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate) de Curitiba. Era coordenado pelas forças militares e atuava diretamente apenas no atendimento e remoção de vítimas de trauma.

Em 2014 houve a ampliação do serviço com a inclusão de aeronaves próprias da Sesa, de um avião em Curitiba e um helicóptero em Cascavel, com equipes médicas e equipamentos para todo tipo de atendimento: além do trauma, emergências clínicas, infartos, AVCs, neonatos. Outra novidade foi que passou a ser acionado diretamente pelas Centrais de Regulação Médica de Urgência do Complexo Regulador do Estado.

Em 2016 houve a implantação de helicópteros em Londrina e Maringá, e em 2018 em Ponta Grossa – completando assim a frota atual do Serviço Aeromédico do Estado, no modelo assistencial que é mantido até hoje. Em 2017, mais uma evolução: o serviço passou a contar com uma equipe médica em voo.

O diretor de Gestão em Saúde da Sesa, Vinícius Filipak, responsável pela coordenação do Serviço Aeromédico da Sesa, foi o primeiro médico a integrar o atendimento no Paraná. Prestes a completar 40 anos de profissão, ele tinha 46 anos de idade quando voou pela primeira vez para um resgate aeromédico no Estado, em 2007. Na época, Filipak integrava a equipe médica do Siate e voava com um piloto e um enfermeiro da PRF para auxiliar na remoção de pacientes de trauma em Curitiba e Região Metropolitana (RMC).

“Um dos primeiros pacientes foi um montanhista com fratura exposta na Serra do Mar. Por ser um local de difícil acesso, o helicóptero realizou um serviço que demoraria muitas horas se fosse por via terrestre”, conta.

“Um caso que também me marcou foi de um paciente que sofreu um acidente de trânsito muito grave na RMC e teve uma parada cardíaca. Ele estava em estado crítico e se o atendimento demorasse cerca de cinco minutos a mais, ele não teria sobrevivido, o que só foi possível graças à atuação coordenada de todo o Sistema de Urgência, iniciando pelo helicóptero até a chegada ao hospital capacitado para o atendimento correto do paciente”, lembra o diretor.

Fonte: AEN

Notícias Relacionadas:

Com apoio das Regionais de Saúde, municípios realizam mutirão de combate à dengue
Com apoio das Regionais de Saúde, municípios realizam mutirão de combate à dengue
Inca manifesta apoio a imposto seletivo sobre bebidas alcoólicas
Inca manifesta apoio a imposto seletivo sobre bebidas alcoólicas
Diretores de hospitais do Norte Pioneiro debatem ajustes do fluxo hospitalar na região
Diretores de hospitais do Norte Pioneiro debatem ajustes do fluxo hospitalar na região
Hospital Regional de Maringá faz cirurgias para pacientes com perda auditiva severa
Hospital Regional de Maringá faz cirurgias para pacientes com perda auditiva severa
Diferentes métodos e tecnologia: saiba como são confirmados os casos de dengue no Paraná
Diferentes métodos e tecnologia: saiba como são confirmados os casos de dengue no Paraná
Secretaria da Saúde e Pequeno Príncipe promovem seminário sobre prevenção da tuberculose
Secretaria da Saúde e Pequeno Príncipe promovem seminário sobre prevenção da tuberculose
Seminário atualiza profissionais da saúde sobre a tuberculose e enfatiza a prevenção
Seminário atualiza profissionais da saúde sobre a tuberculose e enfatiza a prevenção
Estado aumenta mapeamento nutricional da população e divulga hábitos alimentares
Estado aumenta mapeamento nutricional da população e divulga hábitos alimentares
Novo boletim da dengue registra mais 37 óbitos e 34,2 mil casos no Paraná
Novo boletim da dengue registra mais 37 óbitos e 34,2 mil casos no Paraná
Baixas temperaturas e queda de estoque: Hemepar pede doações de sangue em todo o Estado
Baixas temperaturas e queda de estoque: Hemepar pede doações de sangue em todo o Estado
Mais de 214 mil pessoas foram imunizadas contra a gripe e outras doenças no Dia D
Mais de 214 mil pessoas foram imunizadas contra a gripe e outras doenças no Dia D
Hospitais concluem mutirão para diagnóstico de câncer de pele na população do Litoral
Hospitais concluem mutirão para diagnóstico de câncer de pele na população do Litoral
Estado divulga cartilha sobre prevenção e tratamento da Doença de Chagas
Estado divulga cartilha sobre prevenção e tratamento da Doença de Chagas
Dia D da vacina contra a gripe mobilizou 10 mil profissionais da saúde no Paraná
Dia D da vacina contra a gripe mobilizou 10 mil profissionais da saúde no Paraná
Doença de Chagas: Saúde divulga cartilha que alerta para importância da prevenção e tratamento
Doença de Chagas: Saúde divulga cartilha que alerta para importância da prevenção e tratamento
Dia D da vacina contra a gripe mobiliza 10 mil profissionais da saúde no Paraná
Dia D da vacina contra a gripe mobiliza 10 mil profissionais da saúde no Paraná
Dia D de vacinação contra a gripe mobiliza 10 mil profissionais da saúde
Dia D de vacinação contra a gripe mobiliza 10 mil profissionais da saúde
Após ampliação e modernização, Estado e prefeitura inauguram Hospital Municipal de Ibaiti
Após ampliação e modernização, Estado e prefeitura inauguram Hospital Municipal de Ibaiti
Estado libera R$ 4,7 milhões para novas obras de saúde em Telêmaco Borba
Estado libera R$ 4,7 milhões para novas obras de saúde em Telêmaco Borba
Com 1,3 mil salas abertas, Dia D de vacinação contra a gripe será neste sábado no Paraná
Com 1,3 mil salas abertas, Dia D de vacinação contra a gripe será neste sábado no Paraná
Google News CGN Newsletter

Whatsapp CGN 3015-0366 - Canal direto com nossa redação

Envie sua solicitação que uma equipe nossa irá atender você.


Participe do nosso grupo no Whatsapp

ou

Participe do nosso canal no Telegram

Veja Mais