CGN
Acesse aqui o Discover e busque as mais lidas por mês!
Ginástica rítmica: Brasil luta por 2 pódios em etapa do Uzbequistão
© Miriam Jeske/COB/Direitos Reservados

Ginástica rítmica: Brasil luta por 2 pódios em etapa do Uzbequistão

Pela primeira vez na história, o Brasil terá duas atletas em finais de aparelhos de uma etapa da Copa do Mundo de ginástica rítmica. A partir das......

Publicado em

Por CGN

Publicidade
Ginástica rítmica: Brasil luta por 2 pódios em etapa do Uzbequistão
© Miriam Jeske/COB/Direitos Reservados

Pela primeira vez na história, o Brasil terá duas atletas em finais de aparelhos de uma etapa da Copa do Mundo de ginástica rítmica. A partir das 4h (horário de Brasília) deste domingo (16), Bárbara Domingos e Maria Eduarda Alexandre vão lutar pelo pódio em Tashkent (Uzbequistão), nas provas de fita e arco, respectivamente. As finais terão transmissão ao vivo no Canal Olímpico do Brasil. 

Babi Domingos vem emplacando feitos históricos para o país na ginástica rítmica. Na abertura da temporada, na etapa de Sófia (Bulgária), a brasileira se tornou a primeira atleta da América Latina a subir ao pódio no torneio, ao conquistar o bronze na fita. Também este mês, faturou o ouro na prova da fita do Grand Prix da França. 

Estreante na competição, Duda Alexandre, de 15 anos, também tem chance de subir ao pódio neste domingo (16). A ginasta avançou à final do arco com a oitava posição (31.240 pontos). 

A paranaense Duda Alexandre, de 15 anos, disputa o pódio da prova de arco neste domingo (16), a partir das 4h (horário de Brasília) – CBginástica/Divulgação

De olho em Paris 2024

Para garantir uma vaga na competição por equipes nos Jogos de Paris (França) – serão 14 conjuntos (com cinco ginastas cada) –  o Brasil terá de disputar uma das cinco vagas disponíveis no Campeonato Mundial da modalidade, entre 23 e 27 de agosto, em Valência (Espanha). Caso não consiga, terá uma última chance de classificação se for campeão no Campeonato Pan-Americano, previsto para abril ou maio de 2024.

A disputa individual de Paris terá 24 ginastas, com limite de duas representantes por país. O Mundial de Valência distribuirá 14 vagas, enquanto o Campeonato Pan-Americano premiará a atleta campeã.

O Brasil nunca conquistou medalhas na ginástica rítmica em Olimpíadas. O melhor desempenho individual foi o 23º lugar de Natália Gaudio, na Rio 2026. Na disputa por equipes, o país alcançou duas vezes a oitava posição, nas edições de 2000, em Sydney (Austrália), e 2004, em Atenas.

Fonte: Agência Brasil

Whatsapp CGN 3015-0366 - Canal direto com nossa redação

Envie sua solicitação que uma equipe nossa irá atender você.


Participe do nosso grupo no Whatsapp

ou

Participe do nosso canal no Telegram

Veja Mais