CGN

No final da carreira, José Aldo se aproxima de cinturão do UFC: ‘Fome de vencer’

Em 2019, Aldo optou por descer de peso no UFC. Ele passou por um momento delicado nos penas, com duas derrotas em disputas de cinturão, contra...

Publicado em

Por Agência Estado

Publicidade

José Aldo, aos 34 anos, esbanja a mesma confiança e tranquilidade que um dia o levou ao topo do UFC. Após encerrar uma era de oito anos no peso-pena, o brasileiro se aproxima do topo novamente, agora na categoria dos galos. Ele enfrenta Merab Dvalishvili neste sábado, no UFC 278, nos Estados Unidos. Uma vitória o colocará em uma nova disputa pelo cinturão da organização, dois anos depois de sua derrota para Petr Yan, quando foi desafiante do peso-galo.

Em 2019, Aldo optou por descer de peso no UFC. Ele passou por um momento delicado nos penas, com duas derrotas em disputas de cinturão, contra Max Holloway e Conor McGregor. Com um início delicado na categoria, o lutador mostra alegria ao comentar sobre seu momento no MMA. “Foi um início complicado (no peso-galo). Ajustes de peso, de luta e de estilo de combate. Mas hoje eu me sinto novamente no auge, pronto para qualquer desafio”, afirmou o lutador ao Estadão.

“É diferente dessa vez. Quando era jovem, tinha muita fome de vencer, de derrotar meus adversários. Claro, sigo com sede para conquistar o cinturão, mas hoje jogo com a experiência ao meu lado”, contou. “O nome que eu construí ao longo desses anos no UFC impõe respeito a qualquer adversário.”

Dvalishvili, rival deste sábado, está invicto desde 2018, mas José Aldo garante que isso não o assusta, muito pelo contrário. “Tabus existem para serem quebrados”, avisou, convicto, o brasileiro. “Assim como eu já perdi a minha invencibilidade uma vez, ele vai cair neste sábado. Sempre com muito respeito ao adversário, mas treinei muito forte para viver esse momento mais uma vez.”

Para isso, Aldo conta que modificou seu treinamento no peso-galo, crucial para essa atual sequência de vitórias. Com foco no boxe e na sua força física, o lutador se sente preparado para enfrentar o oponente da Geórgia. “Desde a minha primeira vitória nessa nova fase, sinto que venho evoluindo na minha luta. Estou de volta ao patamar ideal, de um lutador campeão.”

APOSENTADORIA
No passado, Aldo traçou seu plano de carreira para encerrar aos 35 anos. Com 34, a data preestabelecida está cada dia mais próxima. Mesmo ainda competindo em alto nível, admite que não pensa em voltar atrás em sua ideia. “Eu sei que vou vencer (o cinturão), mas independentemente do título, foi um plano que tracei assim que entrei no UFC e no MMA”, afirmou. “Eu converso com meus amigos, meus familiares, e eles entendem minha visão. Agora é aproveitar esse momento.”

Aldo garante que o início de uma despedida dos sonhos começa neste sábado, com a vitória sobre Dvalishvili. “Meus últimos treinamentos são focados para eu me despedir do UFC como um campeão, lugar no qual nunca deixei de estar”, afirma o brasileiro. A última vez que esteve com o cinturão, ainda na categoria dos pesos-leves, foi em 2016, com o título interino da categoria.

Ainda sem planejar um “local perfeito” para dar adeus ao octógono, Aldo não esconde que o Brasil e o Rio de Janeiro enchem seus olhos. “A nossa torcida é diferente, seria algo perfeito”, conta. Em janeiro, o País e o Estado voltam a receber um evento da organização, após quatro anos de hiato.

Durante a conversa com o Estadão, José Aldo não escondeu o sorriso ao comentar e relembrar da cidade que fez história no MMA. “A atmosfera de uma luta no Brasil é incomparável com qualquer lugar do mundo. Seria uma boa ideia encerrar minha trajetória na cidade em que ganhei o apelido de Rei do Rio, mas ainda temos alguns meses pela frente”, diz.

Ele reafirma que, nesse momento, seu foco está no sábado e em dar o primeiro passo para o “final perfeito”. “Dvalishvili é um adversário duro, muito forte. Preciso ter 100% de concentração para depois, com calma, planejar o melhor cenário possível para me despedir da família, dos amigos e dos meus fãs”, disse.

ONDE ASSISTIR?
O UFC 278 terá, além da luta de José Aldo, a revanche entre Kamaru Usman e Leon Edwards, pelo cinturão dos meio-médios da organização. Outro brasileiro envolvido no card principal é o mineiro Paulo “Borrachinha”, sexto do ranking entre os médios, que encara o americano Luke Rockhold, ex-campeão da categoria e que volta ao octógono após três anos sem lutar. O card completo do evento, que conta com 13 lutas e cinco brasileiros em ação, tem transmissão do Combate (pay-per-view), a partir das 18h30 (de Brasília).

Confira o card completo do UFC 278:

CARD PRELIMINAR:
Peso-mosca: Daniel Miojo x Victor Altamirano
Peso-galo: Aori Qileng x Jay Perrin
Peso-mosca: Amir Albazi x Francisco Figueiredo
Peso-meio-médio: AJ Fletcher x Ange Loosa
Peso-mosca: Miranda Maverick x Shana Young
Peso-pena: Sean Woodson x Luis Saldaña
Peso-galo: Wu Yanan x Lucie Pudilova
Peso-leve: Léo Santos x Jared Gordon

CARD PRINCIPAL:
Peso-meio-pesado: Tyson Pedro x Harry Hunsucker
Peso-pesado: Marcin Tybura x Alexandr Romanov
Peso-galo: José Aldo x Merab Dvalishvili
Peso-médio: Paulo Borrachinha x Luke Rockhold
Peso-meio-médio: Kamaru Usman x Leon Edwards

Whatsapp CGN 9.9969-4530 - Canal direto com nossa redação

Envie sua solicitação que uma equipe nossa irá atender você.


Participe do nosso grupo no Whatsapp

ou

Participe do nosso canal no Telegram

Veja Mais