CONECTE-SE CONOSCO

Paraná

Uopeccan de Umuarama passa ter 67 leitos exclusivos da covid-19

Publicado

em

Em busca de aumentar o número de leitos para pacientes suspeitos e diagnosticados com covid-19, uma reunião foi realizada nesta segunda-feira (01), na 12ª Regional de Saúde de Umuarama. Estiveram presentes representantes do Hospital do Câncer Uopeccan e demais hospitais da macrorregião noroeste, com intuito de construir um novo plano de ação e contingência devido ao crescimento expressivo dos casos.

A força tarefa entre os hospitais, altera alguns atendimentos realizados na Uopeccan de Umuarama, pacientes clínicos, cirúrgicos e ortopédicos passam ser atendidos nas demais hospitais do município e a Uopeccan centraliza os cuidados nos pacientes oncológicos e covid-19, como explica o administrador da Uopeccan, Luciano Maldonado. “Como somos uma instituição de referência no acolhimento e atendimento desses pacientes, agora a Uopeccan inicia com essas mudanças, pois temos todo suporte de equipamentos, insumos e profissionais da saúde capacitados que auxiliam durante o tratamento”.

A Uopeccan conta com uma estrutura ímpar, com alas com leitos para tratamento intensivo ou não de pessoas suspeitas e confirmadas da covid-19, até o momento mais de 600 pessoas foram atendidas na ala covid. Desta forma, a Uopeccan de Umuarama passará de 30 leitos para 67 leitos para atender pacientes contaminados com a doença.

No início dessa semana a taxa de ocupação chegou a 95% dos leitos covid-19, a Médica responsável da Ala Covid da Uopeccan de Umuarama, Carla Dal Ponte, ressalta que a população precisa ter ciência que apesar do aumento dos leitos, isso será insuficiente para atender todos que necessitam de atendimento. “Estamos vivendo um momento crítico de ascensão de números de casos e colapso no sistema de saúde, por isso contamos com ajuda de todos para continuarem se cuidando, evitando locais aglomerados e seguindo as medidas de isolamento e de higienização, só assim conseguiremos controlar a doença”, orienta a médica.

De acordo com o médico infectologista e coordenador da CCIH (Comissão de Controle de Infecção Hospitalar), Raphael Chalbaud Biscaia Hartmann, esse é pior momento do contagio da covid-19. “O número de casos explodiu, hoje vemos que as pessoas não tomaram as medidas adequadas, acabaram se acomodando e aproveitando o fim de ano e férias para passear, viajar e realizar de outras atividades, no qual colocaram em risco sua própria saúde, de amigos e familiares. Esse momento exige cautela e atenção, acreditem esse vírus não vai desparecer de uma hora para outra, ele vai continuar perpetuando sim, se você não tiver amor e empatia pelo próximo”.

Assessoria.


Whatsapp CGN 9.9969-4530 - Canal direto com nossa redação - Envie sua solicitação que uma equipe nossa irá atender você.

Participe do nosso grupo no Whatsapp ou do nosso canal no Telegram

Publicidade

Copyright 2021 CGN ® Todos os direitos reservados