CONECTE-SE CONOSCO

Opinião

Papai Noel existe

Publicado

em

Depois de anunciar, logo após ser eleito, que iria abolir o indulto de Natal, uma anistia que a lei lhe permite conceder por decreto para presos condenados a determinados crimes não violentos, Jair Bolsonaro voltou atrás e vai manter a tradição, privilegiando principalmente policiais civis e militares que ele considera que estão encarcerados injustamente.

Mas, ao menos neste ano, o presidente não será o único a distribuir a benesse.

Ao mudar o entendimento que vinha vigorando até então e determinar a proibição do início do cumprimento da pena logo após a confirmação da sentença em segunda instância, o Supremo Tribunal Federal também praticou uma espécie de indulgência.

Graças à sua magnânima resolução, engendrada sob medida para tirar Lula da cadeia, centenas de corruptos, assassinos, traficantes de drogas e bandidos em geral aproveitaram-se do benefício e já estão em liberdade para curtir as festas de Natal e Ano Novo e tocar a vida em frente.

Em suma, a impunidade voltou a ganhar força, já que os condenados (especialmente os que tiverem recursos financeiros para contratar bons advogados) só poderão começar a cumprir suas penas depois de esgotados todos os infindáveis recursos a que têm direito.

Considerando-se, enfim, as chicanas jurídicas disponíveis na legislação penal brasileira para retardar e protelar os processos judiciais, conclui-se que a decisão do STF equivale a um verdadeiro perdão antecipado e definitivo.

Um presentão para réus endinheirados. Simples assim.

(Leia e compartilhe outras postagens acessando o site: caiogottlieb.jor.br)


Whatsapp CGN 9.9969-4530 - Canal direto com nossa redação - Envie sua solicitação que uma equipe nossa irá atender você.

Clique aqui e participe do nosso grupo no whatsapp

Publicidade

Copyright 2019 CGN ® Todos os direitos reservados Contato