CGN
Acesse aqui o Discover e busque as mais lidas por mês!
Imagem referente a Memórias, amizades e mil concertos marcam os 39 anos da Orquestra Sinfônica do Paraná
Memórias, amizades e mil apresentações marcam os 39 anos da Orquestra Sinfônica do ParanáFoto: Vitor Dias/Teatro Guaíra

Memórias, amizades e mil concertos marcam os 39 anos da Orquestra Sinfônica do Paraná

Essa é uma das histórias que têm a Orquestra como elo no Paraná nas últimas décadas. Amor, amizade, reencontros e encontros curiosos provam que o tempo......

Publicado em

Por CGN

Publicidade
Imagem referente a Memórias, amizades e mil concertos marcam os 39 anos da Orquestra Sinfônica do Paraná
Memórias, amizades e mil apresentações marcam os 39 anos da Orquestra Sinfônica do ParanáFoto: Vitor Dias/Teatro Guaíra

A pianista Analaura de Souza Pinto tem uma memória muito fresca do dia 28 de maio de 1985: estava no palco no concerto de estreia da Orquestra Sinfônica do Paraná no mesmo dia em que nasceu a sua sobrinha, Carla Maria. Nesta terça-feira (28) o corpo artístico e a mulher completaram 39 anos. “Sinto uma grande emoção por ter chegado até aqui, comemorando 39 anos de existência da Orquestra Sinfônica do Paraná e uma trajetória muito importante na música brasileira. Durante todos esses anos esse é um dia de comemoração dupla”, afirma.

Essa é uma das histórias que têm a Orquestra como elo no Paraná nas últimas décadas. Amor, amizade, reencontros e encontros curiosos provam que o tempo é um aliado desse símbolo da cultura paranaense.

A história da Orquestra é repleta de momentos inesquecíveis entre coros, danças, teatro e cinema. Um dos fatos mais engraçados foi a participação de uma elefanta em uma ópera no maior auditório do Centro Cultural Teatro Guaíra, em 1993. A montagem de “Aida”, em uma época em que animais ainda participavam de espetáculos com público, agitou a cena cultural do Estado.

A violinista Simone Savytzky lembra com carinho desse momento. Mila, como era chamada, recebia os músicos na porta do teatro. “Ela participou dessa ópera juntamente com um cavalo e um camelo. Todos os dias eu ia conversar com ela antes do ensaio, e dava uma maçã para ela comer”, conta. Ela guarda uma foto tirada na calçada da Rua Amintas de Barros com o animal.

Outra grande história é um encontro amoroso que aconteceu por acaso em uma apresentação em Foz do Iguaçu. Romildo Weingartner ingressou aos 18 anos na Orquestra Sinfônica do Paraná e desde 1993 atua como primeiro violoncelista. Juliane Martens iniciou sua carreira profissional na Orquestra Sinfônica da Universidade Estadual de Londrina (Osuel). Em 1999, a música promoveu o encontro entre o violino e o cello. Romildo e Juliane se casaram em 2002 e, desde então, estudos, ensaios e o palco do Teatro Guaíra entraram na rotina do casal, que hoje têm três filhos.

O tempo também expandiu as parcerias. Fagotista principal e um dos fundadores da OSP, Jamil Bark se formou pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná quando um professor vinha do Rio de Janeiro, porque na época não tinha professor de fagote no Paraná. Hoje ele é professor doutor na mesma instituição.

Alex Sanches iniciou os seus estudos em 2006 no Conservatório de Tatuí e lá teve aulas com Jamil em um curso de férias. “Eu fiquei muito impressionado com o jeito dele tocar”, lembra. No final do ano de 2019, o reencontro quando Alex fez o teste seletivo. “Eu não acreditava que ia tocar do lado dele, foi um sonho realizado entrar na orquestra e uma alegria estar do lado do professor Jamil. O acolhimento dele foi extraordinário, considero ele um pai, me dá conselhos e uma direção e sempre sorridente”, afirma.

Eles definem a relação como “pai e filho” e “professor e aluno”, mas o aprendizado é mútuo. “Somos em quatro no naipe e meus colegas são todos alunos meus, é muito orgulho. São excelentes e acabo sendo alunos deles também, porque me ensinam todo dia. Eu sempre tento ajudá-los a entender o dia a dia da Orquestra para que a rotina não tire o ânimo e a vontade de se desenvolver, porque o estudo em música não termina nunca”, define Jamil.

REPERTÓRIO – Hoje com 71 músicos, a Orquestra construiu ao longo dos anos uma história notável, ultrapassando mil apresentações dentro e fora do Paraná, com montagens de importantes óperas, balés, composições exclusivas e primeiras audições sul-americanas e brasileiras. Mais de 50 maestros convidados e 200 solistas, que vieram de diversos lugares do Brasil e do mundo, ajudaram a dar corpo ao grupo. 

O repertório da Orquestra Sinfônica do Paraná conta com cerca de 900 obras catalogadas de mais de 250 compositores, como Villa-Lobos, Camargo Guarnieri e os paranaenses Henrique Morozowicz e Augusto Stresser. Nas atuações com o Balé Teatro Guaira (BTG), destacam-se as montagens do balé “O Quebra-Nozes” e “O Lago dos Cisnes”, de Tchaikovsky, e “Romeu e Julieta” de Prokofiev, além da participação nas óperas “Carmen” de Bizet, “Viuva Alegre” de Lehar e “La Bohème” de Puccini.

O primeiro maestro-titular foi Alceo Bocchino, um dos grandes nomes da música erudita no Brasil e, hoje, Maestro Emérito do corpo. Na época, Osvaldo Colarusso era maestro-assistente, além de 61 músicos selecionados através de um concurso nacional. Com a aposentadoria de Bocchino, Roberto Duarte assumiu o cargo de maestro-titular em 1999. Na sequência vieram os maestros Jamil Maluf (2000-2002), Alessandro Sangiorgi (2002-2010), Osvaldo Ferreira (2011-2013), Stefan Geiger (2016-2020) e Roberto Tibiriçá (2022).

“A Orquestra Sinfônica do Paraná, nesses 39 anos, percorreu um caminho de excelência, de qualidade e da dedicação aos paranaenses. A nossa projeção para o futuro agora é crescer um pouco mais o número de músicos da orquestra para grandes obras que exigem um efetivo maior e continuar lutando pelo compromisso de levar ao público um repertório de grande excelência”, afirma Tibiriçá.  A seleção de músicos para o Centro Cultural Teatro Guaíra passa pelo Serviço Social Autônomo PalcoParaná, vinculado ao Governo do Estado.

Atualmente, além da extensa programação que acontece ao longo dos anos no Teatro Guaíra, a Orquestra Sinfônica do Paraná também se apresenta em outras instituições (como escolas) e locais públicos, como praças, com o objetivo de democratizar o acesso à cultura e formar novos públicos dentro da música.

ANIVERSÁRIO – Para marcar a data, a OSP apresentou dois concertos ao público com casa cheia no domingo (26) e na terça-feira (28). O tema envolveu os choros do grande compositor brasileiro Heitor Villa-Lobos. Um coro sinfônico de 60 cantores se uniu aos músicos no palco do auditório Bento Munhoz da Rocha Neto (Guairão).

Fonte: AEN

Notícias Relacionadas:

Dia da Música e Viola Caipira é comemorado em museu do DF
Dia da Música e Viola Caipira é comemorado em museu do DF
Secretária da Cultura destaca 140 anos do Guaíra em entrevista à TV Paraná Turismo
Secretária da Cultura destaca 140 anos do Guaíra em entrevista à TV Paraná Turismo
Agenda cultural traz espetáculos de humor, oficinas e atividades para todos os públicos
Agenda cultural traz espetáculos de humor, oficinas e atividades para todos os públicos
Teatro Guaíra publica edital de locação dos palcos para escolas de dança do Estado
Teatro Guaíra publica edital de locação dos palcos para escolas de dança do Estado
Teatro Guaíra abre edital de locação dos palcos para escolas de dança do Estado
Teatro Guaíra abre edital de locação dos palcos para escolas de dança do Estado
Nina Miyamoto é nova residente do Museu Casa Alfredo Andersen
Nina Miyamoto é nova residente do Museu Casa Alfredo Andersen
Segunda edição do projeto Crianças no Teatro alcança mais de 72 mil estudantes
Segunda edição do projeto Crianças no Teatro alcança mais de 72 mil estudantes
Segunda edição do projeto Crianças no Teatro alcança mais de 72 mil pessoas
Segunda edição do projeto Crianças no Teatro alcança mais de 72 mil pessoas
Normativas fortalecem proteção do patrimônio arqueológico da Cidade Real do Guairá
Normativas fortalecem proteção do patrimônio arqueológico da Cidade Real do Guairá
Escritoras Miriam Alves e Juliana Sankofa participam de mesa de conversa no MUPA
Escritoras Miriam Alves e Juliana Sankofa participam de mesa de conversa no MUPA
Museu Nacional confirma retorno de Manto Tupinambá ao Brasil
Museu Nacional confirma retorno de Manto Tupinambá ao Brasil
EBC firma acordo para cobertura do Festival Latinidades 2024
EBC firma acordo para cobertura do Festival Latinidades 2024
Escola de Dança Teatro Guaíra levou sua arte a 3,6 mil pessoas no primeiro semestre 
Escola de Dança Teatro Guaíra levou sua arte a 3,6 mil pessoas no primeiro semestre 
Férias: espaços culturais do Estado têm vasta programação gratuita para crianças
Férias: espaços culturais do Estado têm vasta programação gratuita para crianças
Secretaria da Cultura inaugura sete escritórios regionais e fortalece descentralização
Secretaria da Cultura inaugura sete escritórios regionais e fortalece descentralização
Crianças e adolescentes podem aproveitar programação especial do MUPA em julho
Crianças e adolescentes podem aproveitar programação especial do MUPA em julho
Festival de Audiovisualidades do MAC-PR inicia itinerância pelo Interior nesta quarta-feira
Festival de Audiovisualidades do MAC-PR inicia itinerância pelo Interior nesta quarta-feira
Centro Juvenil de Artes Plásticas anuncia abertura de oficinas do segundo semestre
Centro Juvenil de Artes Plásticas anuncia abertura de oficinas do segundo semestre
Festival Latinidades 2024 exalta a mulher negra
Festival Latinidades 2024 exalta a mulher negra
Museu Paranaense promove oficina e conversas sobre corpo, música e arquitetura
Museu Paranaense promove oficina e conversas sobre corpo, música e arquitetura
Google News CGN Newsletter

Whatsapp CGN 3015-0366 - Canal direto com nossa redação

Envie sua solicitação que uma equipe nossa irá atender você.


Participe do nosso grupo no Whatsapp

ou

Participe do nosso canal no Telegram

Veja Mais