CGN
Acesse aqui o Discover e busque as mais lidas por mês!
Imagem referente a Com história de três gerações e mestranda amazonense, UEM amplia atendimento a indígenas
A mestranda indígena do Amazonas Neidemara Araújo de Souza, de 27 anos, da etnia Ticuna, que fica situada no Alto Solimões, decidiu vir estudar em Maringá porque o marido já estava fazendo doutorado na UEM, na área de Engenharia Química. Foto: UEM

Com história de três gerações e mestranda amazonense, UEM amplia atendimento a indígenas

A mestranda indígena Neidemara Araújo de Souza, de 27 anos, da etnia Ticuna, que fica situada no Alto Solimões (Amazonas), decidiu estudar em Maringá porque o......

Publicado em

Por CGN

Publicidade
Imagem referente a Com história de três gerações e mestranda amazonense, UEM amplia atendimento a indígenas
A mestranda indígena do Amazonas Neidemara Araújo de Souza, de 27 anos, da etnia Ticuna, que fica situada no Alto Solimões, decidiu vir estudar em Maringá porque o marido já estava fazendo doutorado na UEM, na área de Engenharia Química. Foto: UEM

Três gerações da família da indígena Gilda Kuita Rodrigues, de 68 anos, graduada em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) em 2023, estudam ou já se formaram na instituição. Ao todo, são 11 integrantes da família Kaingang, dentre eles, cinco filhos: Ivan, Jaciele, Janaína, Jaqueline e Sérgio, e seis netos, Alexia, Aline, Jean Carlo, Julian, Natã e Voia. Quatro dos cinco filhos se formaram em Ciências Biológicas, Enfermagem, Direito e Pedagogia e uma filha está cursando Serviço Social. Entre os netos, há alunos de Agronomia, Direito, Medicina e Pedagogia.  

A mestranda indígena Neidemara Araújo de Souza, de 27 anos, da etnia Ticuna, que fica situada no Alto Solimões (Amazonas), decidiu estudar em Maringá porque o marido já estava fazendo doutorado na UEM, na área de Engenharia Química. Após concluir o Mestrado ela pretende fazer o doutorado na UEM.

Esses são mais exemplos do acesso de indígenas ao ensino superior no Paraná, incluindo graduação e pós-graduação. A UEM já formou 49 indígenas e tem, atualmente, 59 matriculados. Os três cursos de graduação mais procurados são Enfermagem, História e Pedagogia, mas também há estudantes em Administração, Arquitetura, Ciências Biológicas, Direito, Educação Física, Física, Geografia, Letras, Medicina, Odontologia e Serviço Social.

Na pós-graduação, a UEM formou o primeiro mestre indígena do Paraná. Até o momento, graduou três mestres e, atualmente, tem três indígenas no mestrado e dois no doutorado. 

Segundo a coordenadora da Comissão Universidade para os Índios (Cuia) da UEM, Maria Christine Berdusco Menezes, essas histórias são exemplos de como o Vestibular dos Povos Indígenas no Paraná, criado em 2001, vem cumprindo com o seu papel de inclusão desta parcela da população na academia. “O interessante é que a maioria se forma e volta para suas comunidades ou para suas lutas por direitos. Um exemplo disso é o Ivan, um dos filhos da Gilda. Ele concluiu os estudos e hoje está na representatividade da saúde indígena”, diz.

Atualmente, Ivan Bribis Rodrigues é coordenador do Distrito Sanitário Especial Indígena Litoral Sul, do Ministério da Saúde. 

A coordenadora da Cuia acredita que o motivo da UEM ser uma universidade com muitos alunos e formandos indígenas é fruto também do trabalho desenvolvido com os povos originários no Paraná há mais de 30 anos com o Tulha (Laboratório de Arqueologia, Etnologia e Etno-história – LAEE). Ela lembra que na escola estadual da Terra Indígena Apucaraninha, em Tamarana, todos os professores são indígenas, sendo que cerca de 80% são formados pelos cursos da UEM e a maioria pelo EaD.

“Esta modalidade de ensino ajuda muito, pois não precisam sair da comunidade para vir estudar presencialmente em Maringá, evitando gastos com deslocamento, moradia e alimentação, além de ficarem próximos às famílias, favorecendo, principalmente, as mulheres. Dos 59 alunos matriculados na graduação, 28 estão estudando pelo EaD”, detalha.

Além do apoio e acompanhamento pedagógico prestado pela equipe da Cuia, a UEM disponibiliza uma sala na Biblioteca Central (BCE) exclusiva para uso dos estudantes indígenas. Neste espaço, eles se reúnem para estudar e trocar experiências.

PÓS-GRADUAÇÃO – A mestranda indígena está bem feliz na UEM. “Em minha busca por universidades para fazer a pós-graduação, verifiquei que a UEM tinha um bom conceito e também a linha de pesquisa da Educação Escolar Indígena, que eu queria, pois o meu tema de estudo é a Formação Inicial dos Professores Indígenas Ticunas do Estado de Amazonas. Ingressei aqui em 2022 e, hoje, passei pelo exame de qualificação da minha pós-graduação”, afirma. A amazonense é orientada pela professora Menezes.

Na avaliação dela, que entrou na universidade pelo sistema de cotas, esta política das universidades de reserva de vagas é muito importante para os povos indígenas. Ela também enfrentou dificuldades. “Os olhares que eu recebia dentro da minha turma, na sala de aula, me inibiam. Era um sentimento de exclusão, como se eu não fosse capaz. Além disso, teve o choque cultural, pois venho do Norte do País, onde a realidade e o povo é muito diferente. Mas aos poucos tudo foi se encaixando”, afirma.

Agora habituada, ela já pensa no próximo capítulo. “Quero dar continuidade à minha formação. É uma luta minha mesmo, devido às minhas experiências, do período que atuei como pedagoga específica da minha etnia na Secretaria Municipal de Educação do meu município. Quero tentar solucionar os problemas que eu vivi. Contribuir e fortalecer essa causa da formação dos professores indígenas Ticunas. A gente tem que lutar para fazer valer essas políticas existentes, nos âmbitos estaduais e municipais”, afirma.  

CICLO – O início do próximo calendário acadêmico da graduação do ano letivo de 2024 da UEM será marcado por uma programação específica voltada para os estudantes indígenas. Nos dias 16 e 17 de maio, a Comissão Universidade para os Índios (Cuia) da UEM promove o Ciclo de Debates Interculturais 2024 – UEM: Os Desafios do Ensino Superior Indígena no câmpus sede da instituição. O objetivo é recepcionar os calouros indígenas e integrá-los à comunidade estudantil.  

VESTIBULAR – A Universidade Estadual de Londrina (UEL), em parceria com as universidades estaduais do Paraná e a Universidade Federal do Paraná (UFPR), divulgou nesta quinta-feira (18) o resultado do XXIII Vestibular dos Povos Indígenas. A lista traz o total de 306 candidatos classificados no processo seletivo, conforme as regras do edital conjunto Nº 01/2023, que instituiu o vestibular. A partir da homologação do resultado, os candidatos classificados, no limite das vagas, deverão realizar a matrícula em primeira chamada, em dias e locais específicos.

Conforme o resultado, 26 candidatos estão classificados para ocuparem as vagas ofertadas pela UEL. A universidade do Paraná com o maior número de classificados foi a Universidade Estadual de Maringá (UEM), com 74, seguida das estaduais do Norte do Paraná (UENP) e do Oeste do Paraná (Unioeste), com 39 cada, e do Centro-Oeste (Unicentro), com 36. A Universidade Federal do Paraná (UFPR) conta com 41 classificados. 

Fonte: AEN

Notícias Relacionadas:

Com R$ 1,2 milhão do Estado, UEL recebe impressora 3D para estudar construção de casas
Com R$ 1,2 milhão do Estado, UEL recebe impressora 3D para estudar construção de casas
Com aporte de R$ 1,2 milhão do Estado, UEL terá impressora 3D para construção de casas populares
Com aporte de R$ 1,2 milhão do Estado, UEL terá impressora 3D para construção de casas populares
Cultura percorre o Estado com audiências públicas sobre a Política Nacional Aldir Blanc
Cultura percorre o Estado com audiências públicas sobre a Política Nacional Aldir Blanc
UEM e UEL são destaques em ranking internacional sobre excelência de pesquisas
UEM e UEL são destaques em ranking internacional sobre excelência de pesquisas
UEL abre 273 vagas remanescentes para portadores de diploma de curso superior
UEL abre 273 vagas remanescentes para portadores de diploma de curso superior
Com foco na produção orgânica, Estado lança aplicativo para auxiliar agricultores
Com foco na produção orgânica, Estado lança aplicativo para auxiliar agricultores
UENP cria Curso de Tecnologia em Fruticultura para atender vocação do Norte Pioneiro
UENP cria Curso de Tecnologia em Fruticultura para atender vocação do Norte Pioneiro
Curso de Fabricação de Queijos da UEPG está com inscrições abertas
Curso de Fabricação de Queijos da UEPG está com inscrições abertas
Governo propõe aumento de 13% a 31% a professores até 2026
Governo propõe aumento de 13% a 31% a professores até 2026
UEL divulga edital para isenção e descontos na inscrição do Vestibular 2025
UEL divulga edital para isenção e descontos na inscrição do Vestibular 2025
Museu de Ciências Naturais de Guarapuava promove Uma Noite no Museu nesta quinta
Museu de Ciências Naturais de Guarapuava promove Uma Noite no Museu nesta quinta
1,5 mil atendimentos: novo ambulatório da UEPG bate recorde de atividade em abril
1,5 mil atendimentos: novo ambulatório da UEPG bate recorde de atividade em abril
Professoras de Curitiba e Ponta Grossa são selecionadas para atuar em escolas nos EUA
Professoras de Curitiba e Ponta Grossa são selecionadas para atuar em escolas nos EUA
Hospital Universitário apresenta serviços médicos e cuidados básicos com saúde na Expoingá
Hospital Universitário apresenta serviços médicos e cuidados básicos com saúde na Expoingá
Semana Nacional dos Museus terá palestras, paleontologia e oficina de serpentes na UEPG
Semana Nacional dos Museus terá palestras, paleontologia e oficina de serpentes na UEPG
Com aprovação do CNPq, laboratório da UEL vai estudar bactérias super-resistentes
Com aprovação do CNPq, laboratório da UEL vai estudar bactérias super-resistentes
UEM divulga edital de vagas remanescentes para 2024 com 689 oportunidades
UEM divulga edital de vagas remanescentes para 2024 com 689 oportunidades
Inscrições abertas: UEM publica edital para contratar 23 professores temporários
Inscrições abertas: UEM publica edital para contratar 23 professores temporários
Universidades estaduais e Itaipu assinam parceria para ações de extensão em sustentabilidade
Universidades estaduais e Itaipu assinam parceria para ações de extensão em sustentabilidade
UEM abrirá inscrições para os vestibulares de Inverno e EaD no dia 2 de maio
UEM abrirá inscrições para os vestibulares de Inverno e EaD no dia 2 de maio
Google News CGN Newsletter

Whatsapp CGN 3015-0366 - Canal direto com nossa redação

Envie sua solicitação que uma equipe nossa irá atender você.


Participe do nosso grupo no Whatsapp

ou

Participe do nosso canal no Telegram

Veja Mais