CGN
Acesse aqui o Discover e busque as mais lidas por mês!
Imagem referente a Cervos, araucárias e humanos: a pré-história do Paraná está nas paredes de Piraí do Sul
Foto: Valdelino Pontes/SECID

Cervos, araucárias e humanos: a pré-história do Paraná está nas paredes de Piraí do Sul

É assim que o casal de arqueólogos franceses Annette Laming e Joseph Emperaire descreveu, em artigo publicado em 1956 no Journal de la Société des américaniste,......

Publicado em

Por CGN

Publicidade
Imagem referente a Cervos, araucárias e humanos: a pré-história do Paraná está nas paredes de Piraí do Sul
Foto: Valdelino Pontes/SECID

“A cena principal representa três animais caminhando em fila, o maior deles entre os dois menores. Trata-se, sem dúvida, de uma corça e dois filhotes, como indicam as grandes orelhas e as caudas curtas. Os animais se dirigem para dois signos gradeados igualmente pintados em vermelho, parcialmente superpostos e divididos cada um em três compartimentos. O pequeno filhote que se encontra em primeiro lugar desta fila penetrou completamente no primeiro desses signos”.

É assim que o casal de arqueólogos franceses Annette Laming e Joseph Emperaire descreveu, em artigo publicado em 1956 no Journal de la Société des américaniste, as pinturas visitadas por eles no mesmo ano no chamado Abrigo das Cavernas, uma cavidade incrustrada dentro da Escarpa Devoniana, no município de Piraí do Sul, nos Campos Gerais.

O desenho pintado com tinta vermelha a cerca de dois metros do chão é uma espécie de certidão de nascimento da habitação humana no Paraná. “São as primeiras pinturas rupestres identificadas e estudadas sistematicamente em território paranaense e que tiveram ampla repercussão internacional”, explica a arqueóloga e pesquisadora do Museu Paranaense, Cláudia Parellada.

Em 1956, Joseph e Annette já eram uma referência internacional no estudo de arqueologia. Desde 1955, eles vinham se dedicando a pesquisas com sambaquis em todo Sul do Brasil, em um processo de cooperação entre instituições francesas e brasileiras. Até então, as pinturas de Piraí do Sul estavam fora do radar do casal e de toda comunidade científica.

A situação começou a mudar graças a um morador local, Theófilo Pinto Ribeiro, proprietário de terras na região. Ele viu algo de familiar nas fotografias de uma reportagem da edição de janeiro de 1956 da revista Cruzeiro. A matéria tratava das pesquisas do naturalista dinamarquês Peter Lund, realizadas em Minas Gerais no final do século XIV. As fotos de pinturas nas paredes eram tratadas como arte rupestre e lembravam muito algumas pinturas presentes em partes da fazenda do própria Theófilo.

Intrigado, o produtor rural levou o assunto à prefeitura. Inicialmente, formou-se uma comitiva para visitar o abrigo, com a presença de promotor público, padre e contador. A expedição resultou em matéria publicada no jornal curitibano O Dia, mas ficou claro que era preciso colocar especialistas em contato com a pintura.

“A prefeitura também entendeu que aquilo precisava ser explorado e entrou em contato com o Museu Paranaense”, diz a historiadora Cinara de Souza Gomes, sobrinha-neta de Theófilo e autora do livro “As Representações Geométricas e Zoomorfas da Tradição Planalto. A Arte nos Campos Gerais”, publicado pela Secretaria de Cultura em 2011.

A direção do Museu contatou então Anette e Joseph e destacou Oldemar Blasi como representante da sua Divisão de Arqueologia para acompanhá-los. Os arqueólogos fariam o devido reconhecimentos das pinturas com a publicação subsequente do artigo na revista francesa.

O casal não retornaria mais a Piraí do Sul. Joseph morreria em 1958, na Patagônia, soterrado em um sítio arqueológico no qual trabalhava. Annette continuaria a trabalhar no Brasil. Na década de 70 ela liderou a equipe que encontrou os restos do esqueleto de uma mulher de cerca de vinte anos em uma gruta do município mineiro de Lagoa Santa. O fóssil recebeu o apelido de “Luzia” e é o mais antigo já encontrado na América do Sul, tendo entre 12.500 e 13 mil anos de idade. Annette viria a falecer em Curitiba, em 1977.

PARADA OBRIGATÓRIA – Depois do batismo dos franceses, Piraí do Sul se tornaria presença obrigatória para o estudo da arqueologia do Paraná. Blasi voltaria a Piraí do Sul em 1963, 64 e 66. As missões oficiais teriam o apoio financeiro do Governo do Estado, por meio da Fundepar. Nas viagens, novas pinturas e indicativos da presença humana iam sendo encontrados. Na década de 70, Blasi ampliou as pesquisas para municípios próximos como Sengés, Jaguariaíva e Ventania.

A partir da década de 90, uma nova geração de pesquisadores do Museu Paranaense e das universidades estaduais passou a trabalhar na região.

Cláudia, por exemplo, identificou, entre 1992 e 1993, um grande conjunto de pinturas rupestres nas Cavernas do Morro Azul, em Ventania. Em 1992, também iniciou a documentação do chamado Abrigo São José da Lagoa II, em Piraí. Na época, devido às chuvas e à falta de um equipamento fotográfico de maior qualidade, o trabalho ficou incompleto. Em 2014, com equipamento mais apropriado, ela voltou ao local e identificou uma representação bastante rara no Estado: figuras humanas em movimento, possivelmente em uma dança ritual.

Em fevereiro do ano passado, pesquisadores do Grupo Universitário de Pesquisas Espeleológicas (Gupe), que reúne professores da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), publicaram um estudo sobre pinturas de araucária. Foi a primeira vez que pesquisadores encontraram a representação da árvore, símbolo do Paraná, registrada como pintura rupestre.

Ao todo, foram identificadas representações de 13 araucárias e 20 antropomorfos (que são representações humanas). Pelo alto grau de detalhes das pinturas, o Grupo identificou que o painel pode ter sido elaborado pelos povos originários Macro-Jê, antepassados de comunidades indígenas presentes atualmente no Sul do Brasil, como os Kaingang e Xoclengues.

O Gupe segue coletando e mapeando registros arqueológicos. A publicação mais recente envolve um estudo de 52 sítios arqueológicos da Escarpa Devoniana em Ponta Grossa, em que foram inventariados um total de 277 painéis com 1.212 figuras pintadas por povos originários que habitaram a região há centenas de anos. O trabalho também descobriu 27 novos sítios arqueológicos e 12 oficinas líticas, que são locais onde as populações fabricavam artefatos. Os resultados servirão de base para o desenvolvimento de pesquisas mais detalhadas nos próximos anos.

HISTÓRIA HUMANA NO PARANÁ – O trabalho dos arqueólogos ajuda a contar a história da presença humana em terras paranaenses. Segundo levantamento de Cláudia, o Paraná conta com mais de 400 sítios arqueológicas com pinturas rupestres e 50 com gravuras. Cerca de 90% delas estão na região cortada pela Escarpa Devoniana, nos Campos Gerais.

Algumas dessas pinturas, como a dos cervídeos no Abrigo das Cavernas, estão provavelmente relacionadas a grupos que habitavam o Estado há mais de 9 mil anos. “São desse intervalo [por volta de 9 mil anos atrás]. São os que chamamos de paleoíndios, grupos que viviam da caça e coleta. Os ceramistas, grupos que já viviam do manejo da agricultura, chegam mais recentemente, por volta de 4 mil anos atrás”, explica.

Os paredões, grutas, cavernas e todo território recortado e arenítico da Escarpa Devoniana guardam os registros da arte rupestre que percorre esse longo intervalo temporal. De modo geral, no entanto, elas podem ser classificadas em duas grandes tradições: a Planalto e a Geométrica.

A Planalto apresenta grafismos pintados geralmente em vermelho e marrom, e mais raramente em preto ou amarelo. Comumente traz representações de animais e, em menor número, figuras humanas, grades, sinais geométricos e motivos emblemáticos. A tradição Geométrica caracteriza-se por representações geométricas, quase não aparecendo outras representações.

MUITO A SER ESTUDADO – Quem vive e pesquisa na região diz que existe muito a ser descoberto, catalogado e estudado. A história de Cinara, nesse sentido é peculiar. “Eu brincava com minhas primas naquela fazenda que era do tio Theófilo. Brincávamos ali perto das pinturas dos veadinhos, como chamávamos. As pinturas faziam parte da brincadeira”, afirma.

Ela cresceu e deixou de brincar, mas o fascínio despertado por aquelas imagens não foi embora. Se graduou em História pela UEPG, fez uma pós-graduação em arqueologia na Universidade Estadual de Maringá (UEM) e escreveu um livro sobre a pintura na região.

Cinara trabalha no escritório do Núcleo Estadual de Educação no município. Nos finais de semana e feriados aluga sua chácara para quem quer acampar. Os paredões de pedra e o belo visual atraem em especial escaladores de todo País. Há 13 anos, um deles correu para avisá-la que tinha visto pinturas no paredão.

“Achei que era impossível pois todas as pinturas até encontradas eram Serra acima e nós estamos embaixo da Serra. Como já era noite quase dormi esperando amanhecer para ir conferir a veracidade da foto. Ao chegar no local fiquei tão maravilhada que sentei no chão em frente as pinturas e fiquei contemplando”, relata Cinara, que pretende ampliar os estudos nas pinturas no quintal de casa, depois da aposentadoria.

Os planos de Cinara em Piraí do Sul são bem vistos por Cláudia no Museu Paranaense. “Tem várias pinturas. Coletamos material para análise. São três sítios cujas pinturas provavelmente estão associadas às populações mais antigas. Tem uma representação de ema, motivos geométricos com pigmento amarelo que acredito estar relacionado aos Gês. Mas é preciso fazer um estudo mais sério, com mais tempo”, diz Cláudia.

Fonte: AEN

Notícias Relacionadas:

Com foco na produção orgânica, Estado lança aplicativo para auxiliar agricultores
Com foco na produção orgânica, Estado lança aplicativo para auxiliar agricultores
UENP cria Curso de Tecnologia em Fruticultura para atender vocação do Norte Pioneiro
UENP cria Curso de Tecnologia em Fruticultura para atender vocação do Norte Pioneiro
Curso de Fabricação de Queijos da UEPG está com inscrições abertas
Curso de Fabricação de Queijos da UEPG está com inscrições abertas
Governo propõe aumento de 13% a 31% a professores até 2026
Governo propõe aumento de 13% a 31% a professores até 2026
UEL divulga edital para isenção e descontos na inscrição do Vestibular 2025
UEL divulga edital para isenção e descontos na inscrição do Vestibular 2025
Museu de Ciências Naturais de Guarapuava promove Uma Noite no Museu nesta quinta
Museu de Ciências Naturais de Guarapuava promove Uma Noite no Museu nesta quinta
1,5 mil atendimentos: novo ambulatório da UEPG bate recorde de atividade em abril
1,5 mil atendimentos: novo ambulatório da UEPG bate recorde de atividade em abril
Professoras de Curitiba e Ponta Grossa são selecionadas para atuar em escolas nos EUA
Professoras de Curitiba e Ponta Grossa são selecionadas para atuar em escolas nos EUA
Hospital Universitário apresenta serviços médicos e cuidados básicos com saúde na Expoingá
Hospital Universitário apresenta serviços médicos e cuidados básicos com saúde na Expoingá
Semana Nacional dos Museus terá palestras, paleontologia e oficina de serpentes na UEPG
Semana Nacional dos Museus terá palestras, paleontologia e oficina de serpentes na UEPG
Com aprovação do CNPq, laboratório da UEL vai estudar bactérias super-resistentes
Com aprovação do CNPq, laboratório da UEL vai estudar bactérias super-resistentes
UEM divulga edital de vagas remanescentes para 2024 com 689 oportunidades
UEM divulga edital de vagas remanescentes para 2024 com 689 oportunidades
Inscrições abertas: UEM publica edital para contratar 23 professores temporários
Inscrições abertas: UEM publica edital para contratar 23 professores temporários
Universidades estaduais e Itaipu assinam parceria para ações de extensão em sustentabilidade
Universidades estaduais e Itaipu assinam parceria para ações de extensão em sustentabilidade
UEM abrirá inscrições para os vestibulares de Inverno e EaD no dia 2 de maio
UEM abrirá inscrições para os vestibulares de Inverno e EaD no dia 2 de maio
UEM abrirá inscrições para os concursos vestibulares de Inverno e EaD em 2 de maio
UEM abrirá inscrições para os concursos vestibulares de Inverno e EaD em 2 de maio
Aluna de medicina perde vaga na universidade por burlar Lei de Cotas
Aluna de medicina perde vaga na universidade por burlar Lei de Cotas
Centro da UEM desenvolve pesquisa genética com abelhas em Diamante do Norte
Centro da UEM desenvolve pesquisa genética com abelhas em Diamante do Norte
UENP promove segunda edição do Parque em Movimento com atividades gratuitas no sábado
UENP promove segunda edição do Parque em Movimento com atividades gratuitas no sábado
12,8 mil alunos de graduação da UEL devem renovar as matrículas para 2024
12,8 mil alunos de graduação da UEL devem renovar as matrículas para 2024
Google News CGN Newsletter

Whatsapp CGN 3015-0366 - Canal direto com nossa redação

Envie sua solicitação que uma equipe nossa irá atender você.


Participe do nosso grupo no Whatsapp

ou

Participe do nosso canal no Telegram

Veja Mais