CGN
Acesse aqui o Discover e busque as mais lidas por mês!

Trump chama imigrantes ilegais de ‘animais’ durante discurso de campanha em Michigan

“Os democratas dizem: ‘Por favor, não os chame de animais. Eles são humanos’. Eu digo: ‘Não, eles não são humanos, eles não são humanos, eles são...

Publicado em

Por Agência Estado

Publicidade

Donald Trump, que acusou os imigrantes de “envenenar o sangue do país” e prometeu lançar a maior operação de deportação doméstica da história do país caso eleito, chamou os imigrantes que estão ilegalmente nos EUA de “animais”, usando uma linguagem desumanizadora que, segundo estudiosos do extremismo, aumenta o risco de violência.

“Os democratas dizem: ‘Por favor, não os chame de animais. Eles são humanos’. Eu digo: ‘Não, eles não são humanos, eles não são humanos, eles são animais'”, disse ele.

A declaração ocorreu enquanto o ex-presidente citava novamente o assassinato de Laken Riley, uma estudante de enfermagem na Geórgia. Um homem venezuelano que, segundo as autoridades, entrou ilegalmente nos EUA, foi acusado do assassinato. A família de Riley compareceu ao comício de Trump na Geórgia no mês passado e se reuniu com ele nos bastidores. Trump se referiu ao suspeito da morte de Riley como um “animal estrangeiro ilegal”.

“Sob o comando do corrupto Joe Biden, todo Estado agora é um Estado fronteiriço. Toda cidade agora é uma cidade fronteiriça porque Joe Biden trouxe a carnificina, o caos e a matança de todo o mundo e os despejou diretamente em nossos quintais”, disse Trump em Grand Rapids, onde estava ladeado por policiais uniformizados.

Embora os crimes violentos tenham diminuído, Trump e outros republicanos atacaram Biden aproveitando uma onda de crimes supostamente cometidos por imigrantes que estão ilegalmente nos EUA. A imigração ilegal se tornou o tema central da campanha americana, já que as travessias de fronteira atingiram níveis recordes. As pesquisas sugerem que Trump tem uma vantagem sobre Biden nessa questão, porque muitos eleitores em potencial dizem estar preocupados com o impacto da entrada de imigrantes.

Trump continuou a martelar o tema em um comício em Green Bay, Wisconsin, na noite de terça-feira, 2, quando o Estado estava realizando suas primárias presidenciais. Trump acusou nações desonestas de “bombear migrantes através de nossa fronteira aberta” e “enviar prisioneiros, assassinos, traficantes de drogas, doentes mentais, terroristas” – embora não haja nenhuma evidência de que algum país esteja envolvido nesse tipo de esforço coordenado.

Ele também alegou que os imigrantes custariam ao país trilhões de dólares em benefícios públicos e fariam com que a Previdência Social e o Medicare “cedessem e entrassem em colapso”.

“Se você quiser ajudar Joe Biden a jogar a vovó do penhasco para financiar os benefícios do governo para os ilegais, então vote em Joe Biden”, disse ele. “Mas quando eu for presidente, em vez de jogar a vovó ao mar, mandarei os estrangeiros ilegais de Joe Biden de volta para casa.

Família de vítima desmente fala do ex-presidente

Trump também invocou o assassinato de Ruby Garcia, uma mulher de Michigan que foi encontrada morta ao lado de uma rodovia de Grand Rapids em 22 de março. A polícia diz que ela estava em um relacionamento amoroso com o suspeito, Brandon Ortiz-Vite. Ele disse à polícia que atirou nela várias vezes durante uma discussão antes de deixar o corpo dela na beira da estrada e sair dirigindo seu Mazda vermelho.

Trump se referiu incorretamente a Garcia, de 25 anos, como sendo um jovem de 17 anos. As autoridades dizem que Ortiz-Vite é cidadão do México e já havia sido deportado após uma prisão por dirigir embriagado. Ele não tem um advogado listado nos registros do tribunal.

Em seus comentários, Trump disse que havia conversado com alguns membros da família dela. A irmã de Garcia, Mavi, no entanto, contestou seu relato, dizendo à Fox17 que não. “Não, ele não falou conosco”, disse o veículo de comunicação em uma mensagem de texto, recusando-se a fazer mais comentários.

Na semana passada, ela também pediu no Facebook que os repórteres parassem de politizar a história de sua irmã e, na terça-feira, pediu privacidade, dizendo que só queria que “a justiça fosse feita” e que “fosse deixada em paz”.

Discurso anti-imigração

As estatísticas do FBI mostram que os crimes violentos, em geral, caíram novamente nos EUA no ano passado, dando continuidade a uma tendência de queda após um pico na era da pandemia. Em Michigan, os crimes violentos atingiram uma baixa de três anos em 2022, segundo os dados mais recentes disponíveis. O crime na maior cidade de Michigan, Detroit, também diminuiu, com o menor número de homicídios no ano passado desde 1966.

Michigan e Wisconsin são vistos como Estados críticos no campo de batalha da eleição deste ano. Trump venceu ambos em 2016, derrubando o chamado “muro azul” dos democratas, mas os perdeu para Biden em 2020. Sua campanha espera reconquistá-los com um foco especial nos trabalhadores braçais e membros de sindicatos.

Em Green Bay, alguns apoiadores enfrentaram a nevasca por três horas para entrar no local do evento. Em Grand Rapids, mais de 100 apoiadores enfrentaram a chuva fria para se alinharem na rua por onde a comitiva de Trump deveria passar.

Em um parque próximo, um pequeno grupo que defendia a reforma imigratória se reuniu para fazer um momento de silêncio por Garcia, segurando cartazes que diziam “Nenhum ser humano é ilegal” e “Michigan acolhe imigrantes”.

A campanha de Biden tentou rebater os ataques de Trump atacando o ex-presidente por seu papel na eliminação de um acordo bipartidário sobre a fronteira que teria acrescentado mais de 1.500 novos funcionários da Alfândega e Proteção de Fronteiras, além de outras restrições.

“Havia uma solução na mesa. Na verdade, foi o ex-presidente que incentivou os republicanos a desistir de fazer o acordo”, disse a governadora de Michigan, a democrata Gretchen Whitmer, na segunda-feira, dia 1º. “Não tenho muita tolerância com pontos políticos quando isso continua a colocar em risco nossa economia e, até certo ponto, nosso povo, como vimos acontecer em Grand Rapids recentemente.”

Trump tem se inclinado a uma retórica inflamada sobre o aumento do número de migrantes na fronteira sul desde que se tornou o candidato presumido de seu partido. Ele retratou os migrantes como “envenenando o sangue do país”, questionou se alguns deveriam sequer ser considerados pessoas e alegou, sem provas, que os países estão esvaziando suas prisões e manicômios nos EUA.

Google News CGN Newsletter

Whatsapp CGN 3015-0366 - Canal direto com nossa redação

Envie sua solicitação que uma equipe nossa irá atender você.


Participe do nosso grupo no Whatsapp

ou

Participe do nosso canal no Telegram

Veja Mais