CGN
Acesse aqui o Discover e busque as mais lidas por mês!
Imagem referente a Combate às milícias precisa ter investigação de policiais e políticos

Combate às milícias precisa ter investigação de policiais e políticos

Em janeiro deste ano, um atentado em outro quiosque da região vitimou um suspeito de participar de uma milícia da zona oeste da cidade. ......

Publicado em

Por CGN

Publicidade
Imagem referente a Combate às milícias precisa ter investigação de policiais e políticos

Nos últimos meses, notícias envolvendo confrontos armados entre milícias e assassinatos cometidos por integrantes desses grupos criminosos ganharam o noticiário nacional. Em um dos casos, em outubro de 2023, três médicos foram assassinados em um quiosque na Praia da Barra da Tijuca. Segundo a polícia, um deles possivelmente foi confundido com uma liderança de um grupo rival.

Em janeiro deste ano, um atentado em outro quiosque da região vitimou um suspeito de participar de uma milícia da zona oeste da cidade. 

O conflito pelo controle da principal milícia da zona oeste da cidade do Rio Janeiro começou depois da morte de Wellington da Silva Braga, conhecido como Ecko, em 2021, e se acentuou depois da prisão de Luís Antônio da Silva Braga, conhecido como Zinho, irmão e sucessor de Ecko, em dezembro de 2023.

A disputa por territórios tem gerado confrontos armados em comunidades controladas por milicianos, o que provoca não apenas mortes de rivais como também ameaça a segurança de moradores dessas áreas.

A prisão e morte de lideranças operacionais desses grupos criminosos, como Ecko e Zinho, não resolve a situação e apenas cria vácuos de poder que fomentam conflitos armados pela disputa do controle territorial, avaliam os especialistas.

“As milícias são indissociáveis de alguns grupos policiais, que oferecem proteção para a atuação das milícias. As milícias possuem uma relação com o Estado muito mais próxima do que o tráfico. Então, uma ação de repressão estratégica às milícias precisa justamente atacar essas conexões com o poder público”, defende a pesquisadora Carolina Grillo, do Grupo de Estudos de Novas Ilegalidades (Geni), da Universidade Federal Fluminense (UFF).

O professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Michel Misse diz que não adianta apenas “combater o varejo da atividade criminosa”. 

“Vão permanecer nessa estrutura aqueles que oferecem mais para essa estrutura. Ela está montada. Ela quer grana e quer voto que, no fundo, acabam se somando nos períodos eleitorais. Grana e voto são o que decidem essa continuidade de estrutura de poder aqui no Rio de Janeiro. Então, quando você opera em cima de morte de pessoa de liderança, principalmente você tá abrindo um edital para ver quem é que continua”, afirma Alves. 

“Há dimensões em comum entre os grupos de extermínio e as milícias. A base do surgimento de ambos grupos são servidores públicos de segurança. Esses grupos são especialistas em provocar dano e sofrimento à vida alheia, porque são treinados dentro da estrutura de segurança pública. Outro ponto que conecta os dois grupos é o fato de eles elegerem os seus representantes. Então eles têm trajetórias políticas bem sucedidas”, disse Alves, ressaltando que a milícia passa a explorar uma gama muito maior de atividades criminosas do que seus predecessores.

Essa parceria com agentes do Estado e a política permite a rápida expansão das milícias, de acordo com Carolina Grillo, principalmente na década de 90, mas que se manteve em anos mais recentes. Um estudo publicado em 2021 pelo Geni/UFF mostrou que esses grupos criminosos já dominavam 58,6% de todos os territórios controlados por facções criminosas na cidade do Rio.

O mesmo estudo mostrou que as operações policiais em áreas de milícia representavam apenas 6,5% do total, enquanto as outras 93,5% ações ocorreram em comunidades dominadas por facções especializadas no tráfico de drogas ou em regiões em disputa.

“Você vai ter uma percepção por parte do poder público que é um pouco leniente. Teve uma série de autoridades que chegaram a se manifestar publicamente considerando que elas [milícias] fossem um mal menor em relação ao tráfico. As milícias se expandem principalmente porque elas contam com a condescendência do Estado, inclusive com a participação de agentes públicos, elas não foram sujeitas à repressão no seu período inicial”, diz Carolina.

Ela explica que hoje ainda há mais leniência com a milícia do que com o tráfico de drogas, mas já é possível perceber algumas ações mais contundentes contra esses grupos criminosos, inclusive com a participação da Polícia Federal (PF) e do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ).

Por meio de nota, a Polícia Civil fluminense informou que tem atuação constante de combate às milícias e que prendeu ou matou, em confronto, várias lideranças criminosas, entre eles Ecko e Zinho.

“Os agentes também fecharam diversos estabelecimentos ilegais, como centrais clandestinas de internet e TV a cabo; depósitos de gás; farmácias; fábricas de bebidas, entre outros. Centenas de armas e milhares de munições também foram apreendidas com os milicianos. A Polícia Civil ressalta que as ações causaram prejuízo de mais de R$ 2,5 bilhões para as organizações criminosas”, informa a Polícia Civil em nota.

Fonte: Agência Brasil

Notícias Relacionadas:

Bombeiros encerram buscas no acidente em Pontal do Paraná; PCPR vai abrir inquérito
Bombeiros encerram buscas no acidente em Pontal do Paraná; PCPR vai abrir inquérito
Corpo de Bombeiros atende acidente em supermercado de Pontal do Paraná
Corpo de Bombeiros atende acidente em supermercado de Pontal do Paraná
Moradores de Maringá e Manoel Ribas receberão serviços da PCPR na próxima semana
Moradores de Maringá e Manoel Ribas receberão serviços da PCPR na próxima semana
Vídeo de policial militar abraçando alunos em Ponta Grossa viraliza na internet
Vídeo de policial militar abraçando alunos em Ponta Grossa viraliza na internet
Policiais civis de Ponta Grossa e Telêmaco Borba recebem medalhas de serviço
Policiais civis de Ponta Grossa e Telêmaco Borba recebem medalhas de serviço
PCPR oferta 123 vagas de estágio em 40 municípios; 100 são de nível superior
PCPR oferta 123 vagas de estágio em 40 municípios; 100 são de nível superior
Operação Safra reforça segurança nas rodovias e atendimento aos caminhoneiros
Operação Safra reforça segurança nas rodovias e atendimento aos caminhoneiros
PCPR na Comunidade leva serviços gratuitos para mais de 400 pessoas na Ilha do Mel
PCPR na Comunidade leva serviços gratuitos para mais de 400 pessoas na Ilha do Mel
Terra, mar e ar: bombeira de Cascavel é referência de salvamento em qualquer lugar
Terra, mar e ar: bombeira de Cascavel é referência de salvamento em qualquer lugar
Operações na Baixada Santista têm baixa eficiência, aponta estudo
Operações na Baixada Santista têm baixa eficiência, aponta estudo
'Absolvição repugnante', diz advogado da família de mulher arrastada
'Absolvição repugnante', diz advogado da família de mulher arrastada
Inscrições do concurso público da Polícia Penal do Paraná encerram nesta sexta-feira
Inscrições do concurso público da Polícia Penal do Paraná encerram nesta sexta-feira
PM descobre estufa com 73 pés de maconha e prende traficante em São José dos Pinhais
PM descobre estufa com 73 pés de maconha e prende traficante em São José dos Pinhais
Complexo Penitenciário de Piraquara ganha sede da Defensoria Pública do Estado
Complexo Penitenciário de Piraquara ganha sede da Defensoria Pública do Estado
Governo propõe ampliar cargos na PM para atender novo batalhão em Sarandi
Governo propõe ampliar cargos na PM para atender novo batalhão em Sarandi
Novo projeto de lei cria programa de recompensas por informações sobre crimes
Novo projeto de lei cria programa de recompensas por informações sobre crimes
Delegados de Amazonas e Distrito Federal conhecem sistema de flagrantes do Paraná
Delegados de Amazonas e Distrito Federal conhecem sistema de flagrantes do Paraná
Após Vitorino e Araucária, PCPR na Comunidade chega à Ilha do Mel e Campo Magro
Após Vitorino e Araucária, PCPR na Comunidade chega à Ilha do Mel e Campo Magro
Polícia Militar do Paraná apreende 5 quilos de cocaína em ônibus na BR-277
Polícia Militar do Paraná apreende 5 quilos de cocaína em ônibus na BR-277
Polícia Penal do Paraná participa da 31ª Expobel, em Francisco Beltrão
Polícia Penal do Paraná participa da 31ª Expobel, em Francisco Beltrão

Whatsapp CGN 3015-0366 - Canal direto com nossa redação

Envie sua solicitação que uma equipe nossa irá atender você.


Participe do nosso grupo no Whatsapp

ou

Participe do nosso canal no Telegram

Veja Mais