CGN
Acesse aqui o Discover e busque as mais lidas por mês!
Imagem referente a Human Rights Watch: violência policial cresce no Brasil desde 2018
© Fernando Frazão/Agência Brasil

Human Rights Watch: violência policial cresce no Brasil desde 2018

A violência policial cresce no Brasil desde 2018, afirma a organização não governamental Human Rights Watch (HRW). O Relatório Mundial sobre Direitos Humanos de 2024 novamente......

Publicado em

Por CGN

Publicidade
Imagem referente a Human Rights Watch: violência policial cresce no Brasil desde 2018
© Fernando Frazão/Agência Brasil

A violência policial cresce no Brasil desde 2018, afirma a organização não governamental Human Rights Watch (HRW). O Relatório Mundial sobre Direitos Humanos de 2024 novamente traz o tema das mortes causadas pela polícia como uma preocupação em relação ao país.

“O que eu vejo é a continuação de uma tendência muito ruim. O número de mortes causadas pela polícia chegou a mais de 6 mil em 2018, e desde então continua nesse patamar”, enfatizou o diretor do escritório da ONG no Brasil, César Muñoz.

Com base nos dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a HRW destaca que, em 2022, foram mortas por policiais em serviço e de folga 6,4 mil pessoas no país. Muñoz acrescenta que “80% dos mortos pela polícia no Brasil são pessoas negras”.

Em São Paulo, após uma queda de 59% em dois anos, foi registrado um aumento em 2023. De janeiro a setembro do ano passado, o número de pessoas mortas por policiais em serviço aumentou 45%.

A chamada Operação Escudo é destacada na publicação da organização. Em 40 dias de ação, 28 pessoas foram mortas pela polícia em Guarujá e Santos, no litoral paulista. As intervenções na região foram uma reação do governo estadual ao assassinato do policial militar Patrick Bastos, que fazia parte das Rondas Ostensivas Tobias Aguiar (Rota), no final de julho de 2023.

Na operação, a HRW identificou problemas que, segundo a organização, dificultam o controle da atividade policial no país. “O que vimos foram falhas muito importantes na investigação, especialmente a qualidade ou falta de qualidade das perícias”, enfatiza Muñoz.

Sem essas informações, o Ministério Público, responsável pelo acompanhamento da ação das polícias, não tem, na avaliação do diretor da ONG, a possibilidade de fazer uma avaliação correta do trabalho das corporações. Faltam, inclusive, provas para denunciar agentes do Estado com atuação fora da lei.

Para enfrentar o problema, Muñoz acredita que seja necessária uma política nacional focada em diminuir o número de mortes causadas pela polícia, ainda que a letalidade seja um problema mais concentrado nas polícias estaduais. Para o diretor, o tema da qualidade das perícias deve ser “uma prioridade nacional”. Da mesma forma, ele defende que é preciso haver uma diretriz que abranja todo o país para utilização de câmeras corporais pelos policiais.

A letalidade policial está, segundo o diretor da ONG, diretamente ligada a crimes cometidos por agentes do Estado. “A corrupção policial está muito vinculada com a violência, porque o policial abusivo tem o poder de extorquir. O policial abusivo que pode abusar da população com impunidade pode matar, sem nenhuma penalidade, ele tem uma decisão sobre a vida ou morte, então pode exigir dinheiro para não matar.”

Enfrentamento ao crime

Ao comentar a crise no Equador, a diretora para as Américas da HRW, Juanita Goebertus, defendeu o combate ao crime com base em investigações. Segundo ela, é preciso descobrir “os elos de corrupção que permitiram essas organizações criminosas existir e ganhar força”. “É preciso ser capaz de identificar a lavagem de dinheiro e cortar as conexões que permitem essas organizações crescerem e se manterem ao longo dos anos”, acrescentou.

O Equador enfrenta nas últimas semanas uma crise de segurança, com atentados praticados por organizações criminosas e diversos confrontos com a polícia. O presidente do país, Daniel Noboa, que já havia decretado estado de exceção após a fuga de um líder criminoso, declarou que o Equador vive um “conflito armado” depois dos enfrentamentos que se seguiram.

Juanita avalia que a decisão abre espaço para abusos das Forças Armadas que podem ser empregadas como força policial a partir da declaração.

A reportagem da Agência Brasil entrou em contato com o Ministério da Justiça e Segurança Pública e a Secretaria de Estado da Segurança Pública de São Paulo para pedir um posicionamento, e aguarda retorno.

Fonte: Agência Brasil

Notícias Relacionadas:

Bombeiros prestaram mais de 63 mil atendimentos no 1º semestre; incêndios cresceram
Bombeiros prestaram mais de 63 mil atendimentos no 1º semestre; incêndios cresceram
Batalhão de Polícia Ambiental apreende 933 quilos de maconha em Icaraíma
Batalhão de Polícia Ambiental apreende 933 quilos de maconha em Icaraíma
Batalhão de Polícia Ambiental apreende 933 quilos de maconha em Umuarama
Batalhão de Polícia Ambiental apreende 933 quilos de maconha em Umuarama
Polícia Militar encontra estufa com 519 pés de maconha em Campina Grande do Sul
Polícia Militar encontra estufa com 519 pés de maconha em Campina Grande do Sul
Ação Ordo carece de planejamento a longo prazo, dizem especialistas
Ação Ordo carece de planejamento a longo prazo, dizem especialistas
Polícia Militar desmantela estufa de maconha em Campina Grande do Sul
Polícia Militar desmantela estufa de maconha em Campina Grande do Sul
Paraná teve 3ª maior redução no número de mortes violentas do Brasil em 2023, aponta Anuário
Paraná teve 3ª maior redução no número de mortes violentas do Brasil em 2023, aponta Anuário
PCPR apreende 3,1 toneladas de maconha escondidas em caminhão em Medianeira
PCPR apreende 3,1 toneladas de maconha escondidas em caminhão em Medianeira
Mortes por intervenção policial quase triplicam em 10 anos no país
Mortes por intervenção policial quase triplicam em 10 anos no país
Operação da PCPR e PMPR cumpre 25 mandados de prisão contra o tráfico
Operação da PCPR e PMPR cumpre 25 mandados de prisão contra o tráfico
Demolição de imóveis na Cidade de Deus gera revolta e confrontos
Demolição de imóveis na Cidade de Deus gera revolta e confrontos
Combate ao tráfico: apreensões de maconha e cocaína crescem no Paraná no 1º semestre
Combate ao tráfico: apreensões de maconha e cocaína crescem no Paraná no 1º semestre
Paraná tem menor número de homicídios no 1º semestre em 18 anos; roubos caem 24%
Paraná tem menor número de homicídios no 1º semestre em 18 anos; roubos caem 24%
Paraná tem menor número de homicídios no 1º semestre em 18 anos da série histórica
Paraná tem menor número de homicídios no 1º semestre em 18 anos da série histórica
Forças de segurança que atuaram no Rio Grande do Sul são homenageadas na Alep
Forças de segurança que atuaram no Rio Grande do Sul são homenageadas na Alep
Batalhão de Polícia Ambiental orienta como proceder entrega voluntária de animais silvestres
Batalhão de Polícia Ambiental orienta como proceder entrega voluntária de animais silvestres
Governo do Estado vai reforçar policiamento em Terra Roxa
Governo do Estado vai reforçar policiamento em Terra Roxa
PCPR prende 3 na investigação sobre desvio de medicamentos de criança com câncer
PCPR prende 3 na investigação sobre desvio de medicamentos de criança com câncer
PCPR destrói 11,9 toneladas de medicamentos apreendidos no 1º semestre em Curitiba e RMC
PCPR destrói 11,9 toneladas de medicamentos apreendidos no 1º semestre em Curitiba e RMC
PCPR na Comunidade levará serviços a Foz do Iguaçu, Flor da Serra do Sul e Jacarezinho
PCPR na Comunidade levará serviços a Foz do Iguaçu, Flor da Serra do Sul e Jacarezinho
Google News CGN Newsletter

Whatsapp CGN 3015-0366 - Canal direto com nossa redação

Envie sua solicitação que uma equipe nossa irá atender você.


Participe do nosso grupo no Whatsapp

ou

Participe do nosso canal no Telegram

Veja Mais