CGN
Acesse aqui o Discover e busque as mais lidas por mês!
Imagem referente a Dados são a base para políticas em direitos humanos, avaliam ministras
© Rovena Rosa/Agência Brasil

Dados são a base para políticas em direitos humanos, avaliam ministras

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco (ao centro, na foto), ao falar sobre os projetos que vêm sendo desenvolvidos pela pasta neste ano, ressaltou que o......

Publicado em

Por CGN

Publicidade
Imagem referente a Dados são a base para políticas em direitos humanos, avaliam ministras
© Rovena Rosa/Agência Brasil

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco (ao centro, na foto), ao falar sobre os projetos que vêm sendo desenvolvidos pela pasta neste ano, ressaltou que o primeiro passo foi reunir informações a partir de estatísticas e ouvindo a população, para, então, desenhar as ações que seriam desenvolvidas. “Olhando para a realidade da população negra como um todo, a gente tinha que, primeiro, colher dados. A gente não pode ser leviano e pensar políticas públicas dentro de um galinheiro sentado, sem estar nas ruas, ouvindo a população”, disse ao participar do evento, realizado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Foi dessa forma que, segundo a ministra, foi pensada a política de atendimento às populações remanescentes de quilombos. “Nós pegamos a lista de tudo que estava desenhado para os quilombolas, as titulações, os certificados. É um povo que vive, infelizmente, dentro de um conflito, sem acesso à vida digna. O que a gente fez com isso? A gente pensou o plano nacional de titulação. Nunca tinha sido feito antes”, relatou. “Política pública com seriedade se faz diante de dados, com escuta, com coletividade”, acrescentou.

A partir da fala de Anielle, a representante para igualdade racial do Departamento de Estado do governo norte-americano, Desirée Cormier Smith, também enfatizou a importância de informações de qualidade para embasar as políticas públicas. “Você não pode abordar um problema que você não sabe que existe”, disse durante sua participação no primeiro painel do evento.

“Você não pode ajudar uma comunidade que não foi contabilizada. A falta de dados serve para invisibilizar muitos seres humanos. Se não fosse pelos dados, nós não saberíamos que as pessoas negras dos Estados Unidos estão sobrerrepresentadas no nosso sistema prisional”, exemplificou, acrescentando que a mortalidade dessa população também é maior a partir de vários recortes. “Essas são questões consideradas críticas apenas por causa dos dados e, agora, nós podemos destinar recursos adicionais, atenção, políticas e programas para tentar abordar isso”, disse.

Fonte: Agência Brasil

Whatsapp CGN 3015-0366 - Canal direto com nossa redação

Envie sua solicitação que uma equipe nossa irá atender você.


Participe do nosso grupo no Whatsapp

ou

Participe do nosso canal no Telegram

Veja Mais