CONECTE-SE CONOSCO

Opinião

Colheita tardia

Publicado

em

Um dinheiro dado como perdido poderá voltar para o bolso dos produtores rurais que contrataram financiamentos junto ao Banco do Brasil na década de 1990.

Como estamos falando de fatos antigos, de trinta anos atrás, vamos relembrar a história.

Para tentar debelar a crise financeira que assolava o país, o então presidente Fernando Collor de Mello lança o primeiro de seus planos mirabolantes, e sempre malsucedidos, chamado de Collor I, que determina profundas mudanças nas regras dos contratos em todos os setores da economia.

Encabeçando a lista dos maiores prejudicados pelas alterações impostas, os agricultores que haviam tomado recursos pelo sistema de crédito rural vigente à época foram obrigados a pagar suas dívidas com juros extorsivos, que saltaram para índices que variavam entre 76,6% a 84,32%, quando o correto seria 41,28%, situação que ficou ainda mais agravada pela aplicação de uma taxa irreal de inflação e fixação de preços aviltantes para os produtos agrícolas que lastreavam os empréstimos.

Em suma, depois de todos esses anos analisando ações que contestavam a fórmula, o Superior Tribunal de Justiça reconheceu a cobrança como indevida e mandou devolver a grana, bastando, para isso, mover processo contra o banco ou contra a própria União.

Calcula-se que deva entrar no caixa dos fazendeiros da região de Cascavel alguma coisa ao redor de 120 milhões de reais.

Por baixo.


Whatsapp CGN 9.9969-4530 - Canal direto com nossa redação - Envie sua solicitação que uma equipe nossa irá atender você.

Clique aqui e participe do nosso grupo no whatsapp

Publicidade

Copyright 2019 CGN ® Todos os direitos reservados Contato