Conecte-se conosco

Política

Raquel pede federalização de investigações sobre conflitos agrários em RO

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao Superior Tribunal de Justiça para que as investigações sobre conflitos armados agrários em Rondônia se...

Publicado em

Raquel pede federalização de investigações sobre conflitos agrários em RO
A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao Superior Tribunal de Justiça para que as investigações sobre conflitos armados agrários em Rondônia sejam federalizados. Segundo ela, o Estado "não adotou medidas necessárias para pôr fim" às mortes envolvendo a luta por terra no campo, o que gerou "inaceitável situação de impunidade e insegurança".

"Houve falha e insuficiência do serviço de investigação e mantém-se ambiente comprometido e desfavorável à apuração isenta dos fatos", afirma.

De acordo com a procuradora-geral, "manter as investigações no âmbito estadual, no estágio em que se encontram, é, ao lado de consagrar o desrespeito às obrigações internas de garantia aos direitos humanos, assumir o risco de mais uma derrota do Brasil nas cortes internacionais, diante dos precedentes da Corte Interamericana de Direitos Humanos que tratam do descumprimento, em especial, dos artigos 8º e 25 do Pacto de San Jose da Costa Rica".

"Ao lado da dificuldade natural das investigações, seja pela falta de aparato, seja pela complexidade dos casos, tem-se aparente resistência institucional para
que as investigações avancem e ocorram de forma plena. Entendem-se plenamente preenchidos, assim, os requisitos exigidos para o deslocamento de competência buscado", sustenta.

A procuradora-geral ressalta que Rondônia "é, atualmente, o segundo em número de mortes relacionadas à luta por terra no campo, perdendo apenas para o Estado do Pará". "Nos anos de 2015 e 2016, chegou a figurar no topo desse ranking, contribuindo significativamente para a liderança mundial do Brasil em mortes no campo".

Impunidade

Em seu pedido, a procuradora-geral exibe casos que permanecem com os autores dos crimes impunes. Um dos exemplos, é de Renato Nathan Gonçalves, executado com três tiros à queima-roupa, após sofrer tortura, em 9 de abril de 2012, no Distrito de Jacinópolis, Município de Nova Mamoré. O caso está em fase de inquérito há 7 anos.

Segundo Raquel, a "vítima apoiava a Liga dos Camponeses Pobres - LCP e escolas populares da região, e tinha participação ativa na luta contra a criminalização do movimento camponês". "Há suspeita do envolvimento de agentes da Polícia Civil de Ouro Preto dOeste e de que o crime tenha ligação com a denominada Chacina de Buritis, ocorrida dias antes, que resultou na morte de um policial civil e de um agente penitenciário".

"Após o assassinato, seguiram-se notícias na imprensa do Estado exaltando o trabalho da polícia e desqualificando a vítima. Acusaram-no de terrorismo e de participação na morte do policial civil dias antes", narra.

Escalpelados

Outro inquérito, mais antigo ainda, de 2009, mira as mortes de Gilson Gonçalves e Élcio Machado, agricultores e coordenadores da Liga dos Camponeses na região de Buritis, que, segundo, Raquel, "foram executados com tiros de espingarda na nuca, no dia 9 de dezembro de 2009". "Seus corpos foram encontrados com marcas de tortura (unhas e dentes arrancados, escalpelados e com orelhas cortadas)".

A procuradora-geral narra que, foi aberto inquérito no ano do crime para apurar o caso, que tramita na Comarca de Buritis. "A última movimentação de que se teve notícia é um despacho do Delegado-Corregedor em 2013 dando conta de irregularidades formais no inquérito e de que as investigações não caminhavam".

"O Delegado Titular da Delegacia de Polícia de Buritis foi oficiado em mais duas oportunidades para fornecer informações sobre o estágio e principais diligências realizadas no bojo do inquérito. Não houve resposta", escreve.

Segundo Raquel, "suspeita-se do envolvimento de fazendeiro que teria contratado pistoleiros para matar camponeses".

Clique aqui e participe do nosso grupo no whatsapp

Publicidade
Publicidade