Conecte-se conosco

Internacional

EUA: Congresso volta do recesso com prazo para evitar 'shutdown'

O Congresso dos EUA volta de recesso de agosto na noite desta segunda-feira para enfrentar uma ampla gama de questões, como gastos, política comercial, armas e...

Publicado em

O Congresso dos EUA volta de recesso de agosto na noite desta segunda-feira para enfrentar uma ampla gama de questões, como gastos, política comercial, armas e a construção do muro na fronteira com o México, todos com pontos de discordância e com os legisladores já de olho nas eleições do próximo ano.

Em um clima político em que novas questões emergem quase todos os dias da Casa Branca, a trilha da campanha, o cenário geopolítico e além, os legisladores estão se preparando para um frenesi de atividades. O Congresso enfrenta um prazo de 30 de setembro para manter o governo financiado e evitar uma paralisação parcial do governo, também chamada de shutdown. Ele está lutando por uma resposta legislativa aos tiroteios do mês passado no Texas e Ohio, lutando contra a decisão do presidente americano, Donald Trump Trump, de financiar a construção de um muro na fronteira sul dos EUA, redirecionando fundos de projetos de construção militar e pesando as consequências econômicas de sua guerra comercial com China.

As questões, porém, já começaram a infiltrar-se nas eleições de 2020, provocando animosidade partidária, enquanto alguns negociadores gostariam de fechar acordos sobre comércio, armas e segurança nas fronteiras.

"Ambas as partes têm um incentivo para provar que podem confiar no poder de governar - mas nenhuma delas parece estar pronta para compartilhar o crédito com a outra parte", disse Sarah Binder, professora de ciências políticas da Universidade George Washington. "E enquanto Trump permanecer tão impopular em nível nacional e aparentemente atendendo apenas à sua base, isso certamente diminui a disposição dos democratas de ir à mesa da barganha".

O item principal da agenda é financiar o governo para o ano fiscal de 2020, que começa em 1º de outubro. O prazo apertado tem deixado os democratas da Câmara preparados para aprovar uma medida de gastos que provavelmente manteria o governo financiado até 22 de novembro ou 6 de dezembro, de acordo com um assessor democrata da Câmara. Mas o governo Trump quer incluir mais recursos para o muro da fronteira sul no projeto de lei de gastos - uma medida que os democratas dizem ser inaceitável.

Embora o Congresso tenha recorrido frequentemente a extensões de financiamento de curto prazo nos últimos anos, alguns republicanos hesitam em financiar as forças armadas temporariamente. "É uma combinação de uma incapacidade de planejar e desperdiçar recursos que realmente a tornam mais prejudicial para os militares do que qualquer outra parte do governo", disse o deputado Mac Thornberry, do Taxas, o principal republicano no Comitê de Serviços Armados da Câmara.

O teor das negociações sobre a extensão do financiamento inicial pressagiará o debate mais amplo entre o Congresso e a administração ao longo do próximo ano. O projeto de lei que financia o Departamento de Segurança Interna - que determina quanto dinheiro vai para a construção do muro da fronteira - é mais uma vez considerado o mais politicamente controverso.

Clique aqui e participe do nosso grupo no whatsapp

Publicidade