Conecte-se conosco

Economia

Agenda doméstica e amparo do exterior abrem espaço para valorização do Ibovespa

O Ibovespa abriu a sessão de negócios em alta firme, mas reduziu o ímpeto na manhã desta quarta-feira, 21, enquanto o dólar à vista não cedia do nível dos R$ 4...

Publicado em

O Ibovespa abriu a sessão de negócios em alta firme, mas reduziu o ímpeto na manhã desta quarta-feira, 21, enquanto o dólar à vista não cedia do nível dos R$ 4 mesmo após o primeiro leilão conjugado de oferta de moeda spot e swap reverso pelo Banco Central. Às 11h08, o índice Bovespa subia 0,58%, aos 99.793,47 pontos ao passo em que a moeda norte-americana era cotada a R$ 4,03 (-0,51%).

Na Bolsa, entre as blue chips, todas tinham alta à exceção de Vale ON, que recuava 1% refletindo nesta quarta o tombo de 6,2% da cotação do minério de ferro no porto de Qingdao, na China, para US$ 82,38.

Nesta etapa do pregão, ganha destaque as ações do Banco do Brasil (3,66%) e construtoras um dia após o governo ter anunciado uma nova modalidade de crédito imobiliário com juros de 2,95% a 4,95% ao ano acrescido da variação IPCA no futuro.

Na terça à noite, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que nesta quarta deve anunciar um plano para privatizar 17 empresas. O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta pela manhã que as privatizações começarão pelos Correios e fazem parte do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI).

Para Bolsonaro, o processo de privatização deve ser "bastante longo" por depender do aval do Parlamento. Segundo apurou o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), será anunciada a contratação de estudos para avaliação do futuro de pelo menos cinco empresas estatais, como Correios, a Telebrás, a Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias (ABGF), o Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada (Ceitec) e a Empresa Gestora de Ativos (Emgea).

Além disso, Guedes também deu na terça-feira uma perspectiva entre dois a três meses para que a reforma tributária e o pacto federativo - que pode injetar até R$500 bilhões nos caixas dos Estados -.passem pelo Senado. Ele e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), vão discutir hoje a autonomia do Banco Central e a privatização da Eletrobras.

Ainda por aqui, no primeiro leilão de dólar à vista pelo Banco Central, foram vendidos US$ 200 milhões ao mesmo tempo de 4.000 contratos de swap cambial reverso a vencer em 1º de outubro próximo. Logo após, o dólar seguir trajetória de queda que vinha já desde a manhã, sem renovar mínimas e tampouco recuar abaixo de R$ 4,00.

No exterior, a expectativa dos investidores é pela publicação da ata da reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), às 15 horas. No fim de julho, o Fed cortou juros, mas sinalizou que o gesto foi apenas um "ajuste de meio de ciclo".

Para alguns analistas financeiros, o documento do BC norte-americano deve indicar a possibilidade de novos cortes de juros, mas o seu tom pode soar "hawkish" (mais duro), porque a reunião do Fed no fim de julho precedeu a piora dos mercados mundiais pela escalada da tensão comercial e os temores de desaceleração global.

Clique aqui e participe do nosso grupo no whatsapp

Publicidade
Publicidade