• Mariana Lioto
  • CGN

16 Agosto 2018 | 16h53min

A OAB de Cascavel se manifestou sobre a polêmica envolvendo mensagens publicadas em um grupo de Whastsapp que une estudantes de direito de uma faculdade de Cascavel.

Nas mensagens, ao comentar a morte da também advogada Tatiane Spitzner, ocorrida no último mês, acadêmicos afirmam que feminicídio não existe, que mulheres são culpados por estupros, que se ela foi assassinada mereceu morrer e que lugar de mulher é rezando, lavando louça e cuidando dos filhos.

O presidente da OAB, Charles Duvoisin, entende que a postura dos acadêmicos foi imatura e prejudicial.

“Sabemos que o machismo está enraizado dentro de alguns lares, mas ele vai contra um direito fundamental, que é a liberdade da mulher. Quem fala isso não tem noção da vida em sociedade e da importância da mulher”.

Charles relata que os advogados  precisam seguir um estatuto com diretrizes éticas, mas não é papel da OAB agir quando se trata de profissionais em formação. Ele lembra, no entanto, que os responsáveis podem responder criminalmente mediante representação ou que a própria instituição de ensino pode agir de acordo com suas normas internas.

Veja a nota emitida pela entidade

NOTA DE REPÚDIO
Em atenção à matéria veiculada no portal de notícias CGN no dia 16 de agosto de 2018, a Subseção da Ordem dos Advogados de Cascavel vem a público manifestar e, de plano, repudiar o fato ocorrido envolvendo alguns alunos do curso de Direito de uma faculdade particular de Cascavel, os quais fizeram comentários eivados de preconceito, com conotações machistas e totalmente desarrazoados, em um grupo de WhatsApp, envolvendo o caso da advogada Tatiane Spitzner, cuja morte está sendo investigada junto à Comarca de Guarapuava, tendo como principal suspeito seu marido.  

Os comentários ofendem não só a figura da mulher advogada, mas a todos que compõem nossa sociedade.

A OAB há muito hasteia a bandeira do respeito mútuo, da harmonia social e da preservação dos direitos fundamentais, inseridos no artigo 5º da nossa Constituição Federal. É lamentável nos depararmos com situações em que um estudante de Direito, em rede social, venha a tecer comentários tendentes a banalizar a violência sofrida pela advogada supramencionada, ou ainda, culpando-a pelos grotescos atos praticados pelo parceiro.
                       
O desrespeito à condição de gênero é um ato de agressão a toda mulher, sendo ela advogada ou não, e merece o mais duro e veemente repúdio. Traduz-se em ato truculento, reacionário, que causa ultraje e fere o Estado Democrático de Direito, pelo qual tanto lutamos.
                   
DIRETORIA DA OAB CASCAVEL
COMISSÃO DA MULHER ADVOGADA DA OAB DE CASCAVEL

Carregar mais notas ao vivo

Comentários (1 comentário)

  • Fábio Oliveira
    0
    0
    1 mês atrás às 15:51h
    Lembrando que são acadêmicos da UNÍVEL, que vivem se achando melhores do que outas faculdades