Conecte-se conosco

Cascavel

Mulher pede agilidade, após marido ter lesão ‘supostamente’ provocada por funcionário de hospital

Após ter sofrido um AVC, o homem estava internado no HUOP e quando foi levado para uma sala de exame, com um funcionário, teria caído...

Publicado em

A reportagem da CGN conversou, no início da noite desta sexta-feira (28), com a dona Adelaide Fátima Bassanese, que esteve na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Brasília, acompanhada da família, para tentar solucionar um grave problema enfrentando pelo seu marido, Valdir Bassanese, de 66 anos.

A mulher contra que o homem sofreu um AVC há pouco mais de um mês, quando foi encaminhado e ficou internado por nove dias na UPA Brasília. Depois houve a transferência de Valdir para o HUOP (Hospital Universitário do Oeste do Paraná), onde ficou internado por cerca de 20 dias.

Durante este internamento no HUOP, Valdir, que apresenta grande dificuldade de locomoção após o AVC sofrido, tendo, inclusive, que depender de cadeira de rodas, teria sido levado para uma sala onde faria um exame porém teria sofrido queda supostamente em um momento em que estaria somente o paciente e um funcionário do hospital.

Após este período, o homem chegou a ser levado para exames no Uopeccan e só então liberado para ir para casa, entretanto, desde o dia da queda, Valdir sempre reclamava de dores na região de ombro.

Foi somente nesta sexta-feira (28) que a família decidiu fazer um raio-x para verificar o motivo das dores do homem e constatou uma lesão entre a clavícula e o úmero.

Os familiares procuraram, então, o HUOP para tratar do caso, porém foi orientada a procurar novamente a UPA Brasília para só então conseguir encaminhamento para internamento no HUOP para atendimento com hortopedista e, enfim, tratar da lesão no ombro. A família também foi orientada a fazer um relatório quanto ao suposto descuido do funcionário do HUOP no momento da queda do paciente, para cobrar uma solução cabível ao caso.

Adelaide cobra, então, uma agilidade das equipes responsáveis para que o marido consiga tão logo o encaminhamento para o HUOP. Ela destaca que a família, assim como o próprio Valdir, tem enfrentado dificuldades devido as limitações do homem após o AVC e que o tratamento desta lesão no ombro deve ser feito com urgência.


Whatsapp CGN 9.9969-4530 - Canal direto com nossa redação - Envie sua solicitação que uma equipe nossa irá atender você.

Clique aqui e participe do nosso grupo no whatsapp

Publicidade
Publicidade