CONECTE-SE CONOSCO

Cascavel

Soco na cara, dado em frente a clube de Cascavel, rende indenização de mais de R$ 11 mil

A briga teria ocorrido porque o jovem agredido jogou um copo de bebida em uma pessoa…

Publicado

em

Era uma madrugada de sábado, em agosto de 2015, quando um homem foi atingido por um soco no rosto em frente a um salão de festas no Bairro São Cristóvão. A briga do passado só teve desfecho ontem: o juiz do Juizado Especial Cível decidiu que o agredido tem direito a indenização.

A briga teria ocorrido porque o jovem agredido jogou um copo de bebida em uma pessoa. O autor da ação disse que precisou de uma cirurgia na mandíbula e os custos do tratamento foram de R$ 4,7 mil.

O acusado disse que não haveria prova de que ele foi o autor do soco. Ele também tentou alegar prescrição da ação, pedido que não foi aceito pelo juiz.

Testemunhas, no entanto, relataram que viram o momento do golpe e gente ‘parabenizando’ o agressor pelo soco.

“Concluo, dessa maneira, que a atitude do réu, cuja motivação e modo de agir são bem duvidosos, sem dúvidas caracterizou um ato ilícito. Nesse processo (de natureza unicamente cível), a comprovação do ato ilícito, tal como ocorrida, é suficiente para gerar a responsabilidade civil do réu, como uma contrapartida pelos prejuízos decorrentes da sua prática dolosa”, diz a decisão.

“No caso dos autos, a agressão sofrida pelo autor feriu sua integridade física, como se vê da prova documental (mov. 1.49). A agressão gratuita por motivos fúteis acaba reduzindo o ser humano a mero objeto, ofendendo sua dignidade e todos os direitos da personalidade ligados à sua imagem, honra e integridade física, além do que, o autor teve violado seu direito fundamental à saúde, precisando se submeter a procedimentos cirúrgicos, conforme laudos médicos juntados nos autos”.

Os danos morais foram fixados em R$ 7 mil. Assim, o valor total da indenização chega a R$ 11.749,14 e ainda corrigido pelo INPC e receberá juro de 1% ao mês.

O autor da ação disse que trabalhava como modelo e ficou afastado por 60 dias, pedindo ressarcimento pela perda financeira, além também quis que o custo com advogado fosse compensado; estes pedidos, no entanto, foram negados pela justiça.

Cabe recurso da decisão.

Na esfera criminal um processo também tramitou. Foi oferecida pelo MP ao réu a possibilidade de mudar a pena para serviço comunitário ou pagamento de um salário mínimo. A “suspensão condicional do processo” foi aceita.

(Imagem ilustrativa)


Whatsapp CGN 9.9969-4530 - Canal direto com nossa redação - Envie sua solicitação que uma equipe nossa irá atender você.

Clique aqui e participe do nosso grupo no whatsapp

Publicidade

Copyright 2019 CGN ® Todos os direitos reservados Contato